Notícia Destaque

Berço fronteiriço gaúcho, Uruguaiana recebe a Missão de Saúde do DECEA

publicado: 29/11/2019 12:09

 




Mais uma missão planejada pelo Subdepartamento de Administração (SDAD) do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), em parceria com o Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II), com o Hospital de Aeronáutica de Canos (HACO) e com o Quinto Esquadrão de Transporte Aéreo (5º ETA).

A Missão de Assistência Integrada Itinerante apoiou pela primeira vez o Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Uruguaiana (DTCEA-UG), no período de 4 a 6 de novembro. Participaram da ação sete profissionais.

A solidariedade e a operacionalidade da Missão de Saúde aproximam ainda mais a Força Aérea Brasileira (FAB) da sociedade.

Sua atuação é atender ao maior número de demandas de saúde, através de consultas, exames médicos e odontológicos, bem como atender as demandas sociais e psicológicas, através de atendimentos, ações preventivas, socioeducativas e promocionais, para o efetivo e seus dependentes nos Destacamentos que apresentam óbices no apoio à saúde.

Integrar o território nacional também é missão da FAB. Grande parte das aeronaves da FAB proporciona a integração do Brasil em diferentes missões, e a de saúde é uma delas, ações que levam direitos fundamentais à população que vive um pouco isolada dos grandes centros.

Berço fronteiriço gaúcho, Uruguaiana, a capital dos freeshops, as margens do Rio Uruguai, é referência no caminho que une Brasil, Argentina e Uruguai. Por ela, passam pessoas de todas as partes do mundo.

Uruguaiana é um município brasileiro situado no extremo ocidental do estado do Rio Grande do Sul, junto à fronteira fluvial com a Argentina e Uruguai. A cidade tem grande importância estratégica comercial internacional, tendo em vista que está localizada equidistante de Porto Alegre, Montevidéu, Buenos Aires e Assunção.

O Rio Uruguai separa a cidade de Paso de Los Libres, na Argentina do Brasil. Para atravessar a Ponte Internacional é preciso documentos originais de identidade civil ou passaporte.

Na Fronteira, as pessoas brincam que Uruguaiana é longe de tudo – só é perto, mesmo, da Argentina.

Uruguaiana é a maior cidade da Fronteira Oeste gaúcha e fica às margens do Rio Uruguai. Inclusive há um lugar para acompanhar o Pôr do Sol. Nos fins de tarde é comum ver muitas pessoas por lá, com seu chimarrão. Inclusive o Comandante do DTCEA-UG levou a equipe da missão para poder apreciar também. O local fica perto do centro, do lado esquerdo da ponte para quem segue em direção a Paso de Los Libres. E a ponte fica bem bonita iluminada pelo sol poente.

Uma missão com ações de promoção à saúde, que envolve aeronave da FAB e sua tripulação com pilotos, mecânicos, além da equipe do HACO, CINDACTA II, 5º ETA e DECEA. Tudo isso para levar atendimento médico à população de Uruguaiana e estreitar ainda mais os laços de amizade com a comunidade.

Além da comunhão com colegas de trabalho e suas respectivas famílias, naquele momento todos os envolvidos com a missão tiveram a oportunidade de conhecer a riqueza cultural e histórica daquela região com fins de enriquecimento cultural.

O Comandante do DTCEA-UG e também poeta e escritor Capitão Especialista em Informações Aeronáuticas Milton Carlos Oliveira Rezer, um exemplo das dicas das palestras ministradas para o efetivo pela Assistente Social e pela Psicóloga do CINDACTA II.

Capitão Rezer, morador de Uruguaiana desde os seus três anos de idade, sempre teve um amor imensurável pela escrita e pela poesia, ele acredita literalmente que a poesia é a sua válvula de escape.

Todo mundo precisa de uma válvula de escape para aguentar a rotina, equilibrando corpo e mente, na busca para ser feliz plenamente. Que faça enxergar os detalhes da vida aliviando os momentos de tensão.

“A missão atingiu pleno êxito, dado o empenho demonstrado por todos os envolvidos. Havia uma demanda não atendida de serviços e a missão itinerante veio em boa hora. Vale ressaltar que é gratificante, enquanto o Comando da Aeronáutica, poder retribuir ao apoio que as demais Forças Armadas prestam ao DTCEA-UG, seu efetivo e seus familiares. Ao DECEA, CINDACTA II, HACO, 5º ETA e ao Posto Médico da Guarnição de Uruguaiana, que nos cedeu as suas instalações para os atendimentos médicos, o nosso agradecimento”, relatou o Capitão Rezer.

O Capitão explicou: “É a primeira missão de saúde de Uruguaiana. Aqui temos um Posto médico do Exército e algumas clínicas. Houve uma ruptura de contrato da Fusex (Fundo de Saúde do Exército) com a Unimed e alguns convênios foram suspensos. Existe uma necessidade diferente no dia-a-dia. Trabalhamos em conjunto com o Exército, que tem o posto médico e eles levam os equipamentos. Todo apoio que a gente puder trazer para o efetivo e familiares vai ser sempre bem-vindo”.

“Aqui eu não consigo pensar só como DTCEA, preciso pensar, que assim como o Exército nos dá apoio, se a gente conseguir apoiá-los, será perfeito. Afinal somos uma família. Ainda mais pela distância, pelo isolamento. O apoio é essencial, uma mão lava outra. Militar é mais resistente. Mas a família precisa. E o apoio é sempre positivo”, contou o Comandante.

O Capitão também comentou: “Existem alguns serviços que precisam de acompanhamento, não sei como a gente conseguiria apoio desse tipo. Mas algumas especialidades são pontuais. Oftalmologia foi uma demanda, mas difícil para trazer os equipamentos”.

O Destacamento fica localizado no Aeroporto Internacional Rubem Berta, conta com 35 militares: “Estamos em uma unidade deslocada e isolada. A equipe médica e odontológica realizou os atendimentos nas dependências do Posto Médico do Exército, enquanto os atendimentos e palestras de psicologia e assistência social foram realizados no DTCEA”, falou o Comandante.

“Os comentários dos militares e dependentes são de agradecimento. O feedback recebido por parte dos atendidos foi de total satisfação, solicitando, inclusive, a realização de mais missões com esse caráter, tendo em vista que foi preenchida uma lacuna existente nos serviços prestados atualmente pelo Posto”, comentou o Capitão.

O Comandante do DTCEA-UG, Cap Rezer, agradeceu aos integrantes da equipe, entregando-lhes um certificado de agradecimento em nome do Destacamento, pelo excelente trabalho desempenhado ao longo da semana.

A missão da Aeronáutica atendeu a 72 pessoas no Posto Médico da Guarnição de Uruguaiana (PMGU), do Exército e no DTCEA-UG. Foram realizadas consultas médicas em diversas especialidades:

  • 23 em Periodontia - 1º Tenente MED Lucas Hörlle e o1º Tenente MED Rafael de Medeiros Vidal

  • 18 em Cardiologia - 1º Tenente MED Henrique Pereira Abelin

  • 25 em Médico da Família - 1º Tenente MED Evandro Lucas de Borba


Além dessas consultas médicas, houve 5 atendimentos pela Psicologia - 1º Tenente PSO Liliane da Costa D’Ambros Braga -; e 1 atendimento pela Assistência Social – Consultora ASS Denize Janz Costa Silva.

Além dos atendimentos individuais, a psicologia e a assistência social realizaram palestras ao efetivo do DTCEA-UG e dependentes, sobre os seguintes temas: “Ações do Serviço Social do CINDACTA II”, “Transtornos de humor: cuidar e prevenir” e “Trabalho em Equipe”.

“O efetivo foi participativo em todas as palestras. As dinâmicas contribuíram para a socialização e envolvimentos de todos os participantes. Foram quatro palestras nesta missão, o que proporcionou interação com o efetivo”, disse a Assistente Social, do CINDACTA II, Denize Janz Costa Silva.

“Achei muito importante, uma palestra para quem precisa muito de apoio, tem muitas pessoas que precisam escutar um pouco mais sobre esse assunto, como foi tratado a depressão e não é nenhuma bobagem, são assuntos que realmente afetam as pessoas de todo mundo e acredito que todo efetivo aqui de Uruguaiana se sentiu um pouco tocado com o assunto. Que essa missão venha mais vezes para cá abrangendo sempre um assunto interessante sobre essa área”, disse o Soldado, João Victor Dorneles Aranda.

Muitos podem pensar que as dinâmicas motivacionais não passam de “brincadeiras” ou meios de diversão. Não subestime essa alternativa. As dinâmicas de motivação têm todo um embasamento psicológico por trás de suas atividades.

Elas têm finalidades específicas e os resultados sobre a motivação, a sensibilização e a eficiência e produtividade na Organização é comprovada. Existem livros de psicologia e de recursos humanos (RH) com coletâneas e exemplos das mais diversas dinâmicas de grupo. O segredo por trás de sua efetividade está na diferença entre contar, mostra e fazer.

“O efetivo nos recebeu muito bem. É um efetivo muito integrado e com um bom clima organizacional, o que facilita todo o processo. A missão funcionou muito bem e teve bons resultados”, declarou a Psicóloga, do CINDACTA II, Tenente Liliane.

“Eu achei a palestra e a missão muito interessante, pela parte de prevenir ao efetivo, de prestar mais atenção, cuidar da pessoa que está mais próxima para evitar transtornos maiores como perder um ente querido, prestar mais atenção no sentimento dos outros, ver o que ele está sentindo para que não agrave e chegar ao ponto da pessoa querer se matar. Procurar entender o outro, por isso a palestra foi muito boa, abre vários caminhos e soluções, se a pessoa não quer demonstrar o que está sentindo tem que procurar uma ajuda. Está sendo muito bacana o trabalho de vocês”, opinou o Soldado Ezequiel dos Santos Soares.

A Missão de Assistência Integrada Itinerante vem estabelecendo uma relação de confiança entre os profissionais de saúde e o efetivo dos DTCEAs atendidos. Além de dar apoio assistencial médico e odontológico, atende à comunidade que tem dificuldade de acesso a esses serviços, em função do isolamento da localidade.

“Eu estou me sentindo muito satisfeita de ter participado dessa missão aqui no Sul. A gente sabe que o Sul é um pouquinho mais abonado, com mais riquezas que algumas partes do Brasil, mas mesmo assim há necessidade desse acompanhamento do DECEA, mesmo em relação aos destacamentos mais longínquos, mais afastados, de fronteira. E essa missão aqui para Uruguaiana que é quase extremo Sul do Brasil, foi importante porque mostrou a realidade deles aqui. Eles têm o Exército apoiando, mas é importante saber que a Aeronáutica também pode apoiar o Exército fazendo com que a força seja realmente uma só”, declarou a Assistente Social Denize.

A Sargento Edmárcia Mara Santos de Moraes de Souza Silva, recém transferida do Rio de Janeiro para o Destacamento declarou que: “foi muito relevante a vinda da equipe para cá, porque assim consegue auxiliar, difundir melhor todas as especialidades. Por exemplo: a psicóloga está fazendo um trabalho para as pessoas que nunca tiveram uma oportunidade de fazer uma consulta, saber o que fazer e o que é relevante na vida. Na área do serviço social, o pessoal conseguiu saber quais os serviços que a FAB oferece, tanto por ser um direito, quanto também de auxílio a todos os militares. As palestras que tiveram, foram muito boas e aplicáveis. São assuntos que normalmente a gente até conversa, porém, não vamos tão a fundo. E são situações que a gente consegue aproveitar no dia-a-dia, auxiliar um amigo, um colega”.

É uma oportunidade de os profissionais saírem da zona de conforto e receberem a melhor recompensa: a gratidão das pessoas que têm dificuldade de acesso a esses serviços.

O Sargento  Júlio César Lopes Júnior, que já está em Uruguaiana, há dez anos, também oriundo do Rio de Janeiro, deixou sua opinião sobre a palestra de psicologia: “Achei muito interessante, ela fez reconhecermos pontos importantes, parte da psicologia e tirarmos aquele velho preconceito de fazer uma terapia, de procurar um profissional, e que buscar ajuda é de extrema importância sim e não devemos ter vergonha disso”.

A Tenente Psicóloga Liliane declarou: “Eu achei a missão bem interessante, a gente está começando agora, foi a primeira aqui na região Sul. E foi interessante para sabermos quais são as demandas, até para programar as próximas. Mas foi muito bom, quando chegamos aqui fomos muito bem recebidos, a equipe já montou um cronograma de atividades, foi interessante atender algumas demandas da parte psicológica. O que facilitou muito é o convênio que eles têm com o hospital do Exército, a gente sabe que um acompanhamento psicológico não se limita a uma consulta. Então ter para onde encaminhar foi algo que facilitou bastante. E a gente também trabalhou com palestras atingindo todo o efetivo e isso é algo bem interessante, se não o CINDACTA acaba recebendo esse tipo de input, de informação e os DTCEAS ficam um pouco afastados. Então trazer um pouco disso que a gente sempre passa para o nosso efetivo lá da guarnição para o destacamento foi bem importante e a gente percebe que a equipe aqui ficou muito grata também. E isso também nos deixa muito gratos, eu estou muito contente com o trabalho que a gente fez aqui, foi um bom trabalho e espero que seja assim nos outros também”.

O Primeiro Sargento Rafael Shmidt de Oliveira, encarregado da secretária e elo da comunicação social e da assistência social, explicou: “A missão é importante porque as vezes nem sempre a gente tem todas as especialidades com o HGU, que nos presta atendimento aqui na grande maioria. Na verdade, nem é mais HGU, é PMGU porque é Posto Médico da Guarnição de Uruguaiana, que é da Segunda Brigada de Cavalaria, que é do Quartel General. Então eles que tem os profissionais em maior quantidade e em mais especialidades, que por convênio a gente é atendido através deles. Inclusive a gente utiliza o convênio deles com médicos particulares da cidade. Agora de uns dois anos para cá, que a gente conseguiu conveniar diretamente com a FAB algumas coisas. Então, hoje a gente tem laboratório, tem químico, tem psicologia também, está encaminhado direto o convênio com a FAB e tem outro laboratório de imagem que está conveniado diretamente com a FAB, então usamos, meio misto. Alguma coisa que o exército tem a gente usa com eles e o que a FAB está conseguindo se cadastrar direto a gente está usando também. Mas nem sempre se consegue tudo, então essas missões são sempre bem-vindas. Uma pena que não se confirmou todas as especialidades que se cogitou no início. Mas de certa forma está atendendo uma lacuna que estava a ser preenchida”.

A primeiro Sargento Enfermeira Ester Luana de Sousa Rodrigues contou: “Tem três anos que eu estou aqui na Unidade DTCEA Uruguaiana, quando eu cheguei a parte da saúde era bem precária. O pessoal fazia o atendimento no HGU e estava com os pagamentos bem atrasados porque não tinha efetivo que fizesse esse controle de GAB (Guia de Apresentação de Beneficiário) que saia e fazia prestação de conta com o CINDACTA e na época também a prestação de saúde era feita pelo HACO, quando eu cheguei eu fui direcionada para o HGU, fiquei prestando apoio de saúde lá no FUSEX pra gerenciar essa parte de prestação de conta. Tudo que tinha em débito com a Aeronáutica, conseguimos colocar em dia. Ainda sim permaneço fazendo dois dias na semana lá e a Tenente que chegou, os médicos que estão chegando aqui no destacamento estão fazendo também essa prestação de serviços lá, para dar um apoio, uma troca de serviço. A médica fica três vezes na semana lá, faz atendimento médico, emergência também. Aqui no destacamento não tinha essa sala médica aí ano passado com o apoio do CINDACTA e da escola de saúde de lá a gente conseguiu juntar material, eles conseguiram fornecer material de apoio, tanto de medicação, como material de atendimento, mobiliário da parte médica e essa sala que era o meu vestiário, que aqui nesse prédio só tem eu de efetivo feminino, o resto é tudo homem. Então, como era só para mim tinha esse vestiário e o banheiro. Então achei que poderia ceder o local para fazer a sala de atendimento e a gente colocou o armário aqui do lado, aqui dentro do banheiro mesmo, deu para acomodar tudo direitinho”.

“A missão em si a gente achou bem válido de ter esse apoio, principalmente a especialidade que não tem acesso aqui, que inclusive o HGU não tem, por um certo tempo até agora com o convênio da Unimed cancelado, então tem um médico radiologista que está atendendo tanto o nosso efetivo ativo e inativo, como pessoal da reserva e o pessoal do HGU também. A parte de odonto, antes de fechar a semana passada estava bem lotada, todos os dias estavam lotados, então estava sendo bem proveitoso, realmente”, disse a Sargento Ester.

A Sargento Ester também disse: “Oftalmo também seria necessário, não só para o nosso efetivo que tem bastante pessoas usando óculos, como para o HGU. Só que infelizmente o Coronel na época não conseguiu, porque não ia ter o equipamento. São equipamentos grandes, pesados. Mas a gente está julgando bem válido, a agenda agora da manhã a Tenente Mariana passou que estava cheia a do cardiologista e a do clínico também”.

A Segundo Tenente Médica Mariana Motta Gomes, Clínica Geral do Destacamento, explicou: “Eu atendo aqui no exército três vezes na semana e lá no Destacamento duas vezes por semana. Lá eu atendo e faço a parte burocrática também. Eu acho interessante essa missão, porque é uma visão que eles tem que mostra que se preocupam com os Destacamentos também, porque aqui a gente acaba ficando longe dos centros, não é fácil de se locomover até lá, então é legal quando olham para gente com esse olhar e mandam uma ajuda extra que a gente não tem aqui. Faltaram algumas especialidades, que a gente tem um pouco de dificuldade como oftalmo, por exemplo. Só que oftalmo é uma coisa mais complicada porque tem aparelhagem, não tem como trazer, então são coisas ainda que são difíceis da gente conseguir. Mas aqui a gente consegue um ou outro convênio”.

A Maria Rosângela Cravo, dependente do marido, um Suboficial Controlador de Voo, da Reserva, declarou: “Achei maravilhosa a missão, gostaria que tivesse com mais frequência aqui essas missões. Eu adorei ser atendida pelo Cardiologista, amei esse Dr. Abelim! Eu estava com a pressão alta e estou com problema de coração e eu até agora não sabia, eu estava tomando remédio, mas com a dosagem baixa. Agora o Dr. ajustou tudo e me pediu outros exames para fazer. Me senti bem acolhida! Tenho fibromialgia, mas o meu problema era também cardíaco, pressão alta e colesterol. Aí ele disse que é uma pressão alta mascarada, porque já estive aqui outras vezes e depois a pressão volta ao normal. E agora vou tomar a medicação certinha, estou super feliz!”

O senhor João Gervásio Gonçalves Seixas fez questão de deixar seu testemunho sobre a missão: “tenho 73, vou fazer 74 anos e sou o Segundo Tenente da reserva do Exército. Nesses 74 anos a gente trabalhou muito, dediquei minha vida inteira a cavalaria, eu sempre servi na cavalaria. Nós aqui da reserva de Uruguaiana temos uma história muito importante para a educação e o desenvolvimento da cidade. E eu prometo dar o meu depoimento sobre essa missão da FAB ao General. Estou acostumado a falar que só quem tem a responsabilidade de salvar vidas, pode fazer um projeto tão profundo e tão importante para nossos militares e para a sua família. Não só pensando no homem que está na carreira, mas a família do militar. Ainda mais que nossos serviços no Brasil não são bons. Mas agora veio esse projeto, tomara a Deus que as autoridades, o auto comando continue assim, valorizando essa parte. E essa consulta que se faz aqui, nós somos a pontinha do lado de cá, é importante nos ouvir também”.

“A missão foi excelente, podemos contribuir com o atendimento dos militares do DTCEA de Uruguaiana. Podemos ver todo o acolhimento dos militares, que se sentiram acolhidos no nosso atendimento, tivemos uma relação entre o Exército Brasileiro e a Aeronáutica, então acho que foi uma missão que valeu muito a pena. Foram vários atendimentos, muitos pacientes graves na área de cardiologia, que realmente estavam necessitando de um especialista e com a missão podemos fazer essas consultas. O Destacamento se sentiu acolhido e a missão serviu tanto para o Exército quanto para Aeronáutica”, opinou o Tenente Cardiologista Abelim, queridíssimo entre os pacientes.

“O médico que me tratou, o Doutor Abelim, foi espetacular. Com calma, me fez ver a importância do controle. Faz 25 anos que estou na reserva e nesses 25 anos poucas vezes eu fui ao cardiologista. Agora, entendi a importância de fazer esse acompanhamento mais aproximado do médico. Semana passada eu tive um AVC muito forte. Então, por isso que eu vim aqui. Agradeço ao Doutor Abelim pela atenção de verificar exatamente onde estão as coisas, onde eu posso mudar. E a prevenção, é importantíssima porque são gastos depois, desnecessários que você faz, em dinheiro e gastos em saúde também. Isso que o pessoal da Aeronáutica está fazendo é muito legal. Conforme a formiguinha faz aquele baita formigueiro, se aliando uma com a outra. Então nós estamos fazendo isso aí. Meu filho também é sargento da Aeronáutica. Muito obrigada, me emocionei, de verdade. Depois de uma certa idade e depois de um AVC, a gente fica muito emotivo, eu quase chorei ali na frente. Muito obrigado!”, elogiou o senhor João, Tenente da reserva do Exército.

O Tenente Dentista Hörlle, especialista em periodontia, disse: “Missão extremamente válida. Fundamental para o pessoal que fica distante das localidades que tem um hospital, uma infraestrutura melhor. Então a FAB dando esse suporte para essas localidades é fundamental. Além da interrelação com as outras forças que no caso foi o Exército”.

O Tenente Dentista Rafael, especialista em periodontia, que trabalhou em conjunto com o Tenente Hörlle também declarou: “Eu achei a missão muito legal, principalmente porque a gente sai um pouco daquela rotina de consultório, de atendimento e coloca em prática nosso militarismo, nossa operacionalidade. E a gente consegue trazer nossa assistência para certos lugares, que as vezes não tem essa mão de obra e conseguimos suprir essa necessidade”.

O Tenente Médico da Família e Comunidade Borba, contou o que achou da sua participação na missão: “Eu acho que a integração foi muito importante com o Destacamento, com a área de fronteira, no sentido de trocar conhecimento com os colegas do local e trazer apoio, no sentido de elucidar alguns casos, trazer ideias de condutas diferentes e de ajudar no papel de gerenciamento dos casos, tanto do sistema de saúde, quanto de casos que devem ser encaminhados para saúde suplementar e outros casos que podem seguir em acompanhamento com as equipes daqui”.

“Além da gente estreitar os laços, mesmo não estando presente fisicamente aqui na região, que a gente possa ter um canal de comunicação para tornar mais efetivo o acompanhamento, tratamento dos pacientes e as condutas em conjunto de toda a equipe e tornar mais efetiva nossa comunicação e nossa aproximação com a região. Acho que o trabalho é muito importante nesse sentido”, continuou o Médico da Família.

O Tenente Borba observou: “Os pacientes, no geral, se sentiram muito bem, se sentiram acolhidos, aprovaram e gostaram da nossa missão e a gente também foi muito bem recebido pela equipe local, pela equipe do DTCEA, equipe do Exército Brasileiro. E também foi um prazer trabalhar integrado com o pessoal do Exército para gente poder exercer a questão da interoperacionalidade. Sendo que aqui na região temos bastante apoio do Exército e podemos retribuir um pouco também, atendendo os militares do EB e seus dependentes, foi um prazer”.

O especialista em Medicina da Família cuida de todas as fases da vida, pode acompanhar, por exemplo, crianças, fazer prevenções ginecológicas, urológicas e, caso veja necessidade, encaminhar o paciente para um especialista.

O especialista também lembra a importância da prevenção de doenças, com consultas e exames regulares: Para as mulheres, a mamografia; e para os homens, o PSA (Antígenos específicos da próstata). E recomenda essencialmente, a prática de ações que não sejam nocivas à saúde em todas as fases da vida, física e mentalmente. Como exercícios e alimentação balanceada.

E o Tenente Borba trouxe para Uruguaiana uma tecnologia de ponta em prol daqueles que buscam melhor qualidade de vida: o exame de bioimpedância. A iniciativa tem como objetivo analisar com exatidão a composição corporal de uma pessoa (quantidade de massa magra, água e gordura) e, por isso, é recomendado para pessoas que estão fazendo dietas e desejam perder ou ganhar peso.

“Pois é, a gente tem usado aparelho da bioimpedância, para poder ter uma noção da composição corporal dos nossos militares e poder orientar a questão, principalmente do preparo físico, da dieta. Nosso militar tem que estar sempre preparado para o pronto emprego e o que a gente está vendo atualmente nos estudos é que não necessariamente uma pessoa aparentemente magra tem uma baixa porcentagem de gordura e as vezes ao contrário também. Uma pessoa que é um pouco maior, que aos olhos parece que ela é uma pessoa acima do peso, e as vezes até parece com um certo grau de obesidade e não necessariamente é assim”, esclareceu o Médico da Família.

Tenente Borba continuou explicando: “A análise da composição corporal através da bioimpedância mostra que daqui a pouco a pessoa pode ter uma carga muscular maior ou que a pessoa pode aparentemente parecer estar magra, mas ter um percentual de gordura alto. Então é um trabalho, um exame que possibilitou a gente fazer essa avaliação dos militares da região e poder orientá-los nesse sentido de aperfeiçoar a dieta, a atividade física, manter algum padrão de estilo de vida que já estava fazendo para poder ter um bom trabalho de prevenção e principalmente esses militares estarem com saúde para necessidade do pronto emprego”.

“Me traz muita felicidade em participar por ser justamente uma missão no meu Estado, eu sou gaúcho, né? Então poder estar contribuindo com a assistência de militares na região da fronteira do Sul e poder estar conhecendo um pouco mais da nossa terra, coisas que só a FAB pode proporcionar. Dentro de várias coisas que a FAB nos proporciona e nos traz de felicidade na nossa carreira, concluiu o Tenente Borba.

A Força Aérea está sempre presente na vida dos brasileiros, demonstrando o compromisso da FAB com o bem-estar daquele que é o nosso maior patrimônio – o pessoal.

A proatividade de todos os envolvidos na missão resultou em grande satisfação para todos os pacientes.

A equipe demonstrou motivação, satisfação, espírito de grupo e muito carinho com os pacientes. Realizaram excelentes procedimentos e procuraram solucionar os problemas de saúde bucal em toda a sua totalidade. Estavam radiantes em poder conhecer outras histórias de vida e estavam felizes em experimentar novos sabores e ter a oportunidade de ver a religiosidade e a cultura da cidade.

Foi perceptível também, a cooperação mútua da equipe, assim como do efetivo do DTCEA-UG, sem esquecer dos mascotes, Unha e Magrão, cães fiéis ao efetivo e super parceiros. Compartilharam conhecimentos e habilidades todo o tempo, prevalecendo o espírito de equipe. Todos se ajudavam. Todos colocaram a mão na massa para arrumar, empacotar e carregar os equipamentos da aeronave até a viatura e vice e versa. Ninguém ficou de fora. Respeitaram-se o tempo todo e a união do grupo foi total.

Assessoria de Comunicação Social
Reportagem e fotos: Fátima Cerqueira