Movimentos aéreos recuam 74,6% em abril. Para aviação comercial, queda foi de 89,5%

 

Pátio do Aeroporto Luiz Eduardo Magalhães, Salvador-BA

Pátio do Aeroporto Luiz Eduardo Magalhães, Salvador-BA (Foto: Fábio Maciel)

O total de movimentos aéreos realizados no país sofreu uma queda acentuada no mês de abril. De acordo com dados do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), foram registrados 36.596 movimentos aéreos no período. Uma contração de 74,6% no comparativo com o mesmo mês em 2019, ocasião em que foram apurados 143.997 movimentos aéreos.

O recuo foi ainda mais expressivo para aviação comercial, segmento das companhias aéreas. Os 10.977 movimentos de abril contrastam com os 110.977 pousos, decolagens e cruzamentos aéreos de abril do ano passado. Uma queda de 89,5%.

Outros dois segmentos da aviação também observaram recuos consideráveis, porém menores. Acompanhando uma tendência já observada em outros países, a aviação geral tem sofrido um impacto menor que a comercial diante da instabilidade gerada pela pandemia do COVID-19. Ainda assim, houve uma redução de 47,2% no comparativo com os números do mesmo período do ano passado, de 26.907 para 14.198.

Aeronave militar taxia no pátio. (Foto: Fábio Maciel)

A aviação militar registrou uma redução mais amena, de 7,5%. Isso se explica, em boa medida, pelas numerosas operações aéreas de saúde e de apoio logístico executadas pela Força Aérea ao longo das últimas semanas no contexto da Pandemia.  Foram registrados 11.421 movimentos aéreos neste mês, contra 12.349 do mesmo período em 2019.

A situação gera um fenômeno inusitado, poucas vezes observado. Em abril, a aviação comercial foi o segmento que menos voou no Brasil. Acostumada a abranger cerca de 70% do total do número de voos, as cias aéreas responderam por apenas 29% dos movimentos aéreos, atrás dos jatos executivos, dos aviões particulares e das aeronaves militares.

Em março, já havia sido apurada uma variação negativa no número de voos. A ocasião, no entanto, ainda não contemplava o cenário completo que viabilizasse a consolidação de dados mais concretos, uma vez que as medidas de contenção e isolamento social só passaram a ser executadas a partir do meio do mês na maioria dos estados brasileiros.

 

Daniel Marinho
Editor

Os 7 aeroportos brasileiros de maior movimento aéreo em 2017

Já uma tradição no Blog Sobrevoo, reunimos, neste post, mais uma atualização do ranking dos sete aeroportos mais movimentados do País em número de pousos e decolagens. Somam-se ao cálculo, também, ainda que em menor peso, os procedimentos de “toque e arremetida” e cruzamentos de pista para pouso.

Aeronave encaminha-se à cabeceira para decolar do Aeroporto Internacional de Salvador.

Aeronave encaminha-se à cabeceira para decolar do Aeroporto Internacional de Salvador. (Foto: Fábio Maciel)

Os dados são parte do levantamento anual realizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio do Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), consolidado no Anuário Estatístico de Tráfego Aéreo (Ref 2017). O Documento, desenvolvido pelos profissionais do Setor de Estatística da organização, compõe um rico acervo de dados e informações referentes aos voos e aeroportos brasileiros.

Os dados de 2017 ainda não indicam, ou presumem, uma recuperação no número de movimentos aéreos que desde 2015 vem observando um decréscimo. Com exceção de Congonhas, os demais aeródromos ainda acumulam números menores dos que os registrados no ranking de 2013.

No comparativo com o ano passado, Congonhas, apresentou um acréscimo de tráfego de 1,9 %; Confins; 0,36%. Brasília e Viracopos reportaram os maiores decréscimos: -8,19% e -5,36%, respectivamente. Confira!

 

7 º – CNF Aeroporto Internacional de Confins/ Belo Horizonte (Confins – MG)
100.593 movimentos aéreos em 2017

Aeroporto Internacional de Confins - Tancredo Neves

Aeroporto Internacional de Confins – Tancredo Neves (Foto: Divulgação)

O Aeroporto Internacional de Confins / Belo Horizonte é o principal da região metropolitana da capital mineira. Administrado, desde 2014, pela concessionária BH Airport (Grupo CCR e Zurich Airport) com a participação da Infraero, Confins oscilou nos últimos anos:queda de 12,7% em 2016 e crescimento de 0,36% em 2017.

Localizado a 38 Km do centro de BH, sua vocação é a aviação comercial (cias aéreas), que responderam por 98% dos voos em 2017, por onde transitaram cerca de 10 milhões de passageiros.

 

6 º – VCP Aeroporto Internacional de Viracopos (Campinas – SP)
112.772 movimentos aéreos em 2017

Novo terminal de passageiros de Viracopos.

Novo terminal de passageiros de Viracopos. Foto: Edis Cruz/Aeroportos Brasil Viracopos

Localizado a 18 quilômetros do centro de Campinas e a 100 Km de São Paulo, Viracopos recebe mais de 10 milhões de passageiros por ano e possui um dos maiores terminais  de carga do Brasil. É atualmente administrado, em regime de concessão, pelo Consórcio Aeroportos Brasil (Triunfo Participações e Investimentos, UTC Participações, Egis Airport Operation) e pela Infraero.

Em 2017, o movimento do aeroporto apresentou uma redução de tráfego da ordem de 5,4%, no comparativo com 2016. A aviação geral teve uma redução de 0,9% e a comercial; 5,7%.

 

5 º – SDU Aeroporto Santos Dumont (Rio de Janeiro – RJ)
118.149 movimentos aéreos em 2017

Aeroporto Santos Dumont no centro do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Perez

Aeroporto Santos Dumont no centro do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Perez

Inaugurado em 1936, o Aeroporto Santos Dumont foi o primeiro Continue reading

Conheça os 7 aeroportos brasileiros de maior movimento aéreo de 2015

Diariamente, mais de 3 mil voos cruzam o céu do País. Somente sobre a grande São Paulo (área aproximada da Terminal Aérea de São Paulo – TMA SP) são mais de 700 mil voos por ano. Ainda que algumas aeronaves apenas cruzem o Brasil, a grande maioria não está só de passagem em nosso espaço aéreo. Decolarão ou pousarão por aqui.

20137654172_68a5a3b50c_k

Efeito de imagem aérea do Aeroporto de Brasília. Foto: Fábio Maciel

O Blog SobreVoo reúne, neste post, o ranking dos aeroportos brasileiros mais movimentados de 2015 em número de pousos e decolagens – somam-se ao cálculo também, ainda que  em muito menor peso, os procedimentos de “toque e arremetida” e cruzamentos de pista para pouso, geralmente helicópteros.

Os dados são parte do levantamento anual realizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio do Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), consolidado no Anuário Estatístico de Tráfego Aéreo (Ref 2015). O Documento, desenvolvido pelos profissionais do Setor de Estatística da organização, compõe um rico acervo de dados e informações referentes aos voos no Brasil.

No Top 7 dos pousos e decolagens brasileiros, apenas Confins e Congonhas registraram um acréscimo em 2015. Brasília manteve-se estável e os demais recuaram em relação aos números do ano anterior. Dos sete aeroportos mais movimentados, cinco são atualmente administrados por empresas privadas, em regime de concessão: Guarulhos, Galeão, Confins, Brasília e Viracopos. Congonhas e Santos Dumont, tradicionais alicerces da Ponte Aérea Rio-São Paulo (um dos trechos mais voados no mundo), são geridos pela a Infraero. Confira!

 

7 º – CNF Aeroporto Internacional de Confins/ Belo Horizonte (Confins – MG)
114.762 movimentos aéreos em 2015

Aeroporto Internacional Tancredo Neves - Confins

Imagem aérea do Aeroporto de Confins. Foto: Sec de Turismo/ Prefeitura de Belo Horizonte

O Aeroporto Internacional de Confins / Belo Horizonte é o principal da região metropolitana da capital mineira. Administrado desde 2014 pela concessionária BH Airport (Grupo CCR e Zurich Airport) com a participação da Infraero, Confins apresentou o maior percentual de crescimento em movimentos aéreos da lista, saltando do 10º para o 7º lugar no Ranking em 2015.

Localizado a 38 Km do centro de BH, sua vocação é a aviação comercial (cias aéreas), que responderam por 98% dos voos do ano passado, por onde transitaram mais de 11 milhões de passageiros em 2015.

 

6 º – VCP Aeroporto Internacional de Viracopos (Campinas – SP)
131.537 movimentos aéreos em 2015

RR3A1317 (1)2

Novo terminal de passageiros de Viracopos. Foto: Edis Cruz/Aeroportos Brasil Viracopos

Localizado a 18 quilômetros do centro de Campinas e a 100 Km de São Paulo, Viracopos recebe mais de 10 milhões de passageiros por ano e possui um dos maiores terminais  de carga do Brasil. É atualmente administrado, em regime de concessão, pelo Consórcio Aeroportos Brasil (Triunfo Participações e Investimentos, UTC Participações, Egis Airport Operation) e pela Infraero.

Em 2015, houve uma redução de 2,8% nos movimentos aéreos do aeroporto na comparação com 2014. Boa parte devido ao decréscimo de 11% nas operações da aviação geral (jatos executivos e táxis-aéreos).

 

5 º – SDU Aeroporto Santos Dumont (Rio de Janeiro – RJ)
139.561 movimentos aéreos em 2015

_M6W0180

Aeroporto Santos Dumont no centro do Rio de Janeiro. Foto: Luiz Perez

Inaugurado em 1936, o Aeroporto Santos Dumont foi o primeiro Continue reading

Vídeo simula voos no Brasil ao longo de um dia!

Você sabia que a cada dia cerca de 3.500 voos (operações regulares) são realizados em todo o Brasil? Numa simulação em vídeo desenvolvida pelo Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA) é possível conferir em um minuto como ocorre o deslocamento das aeronaves comerciais regulares na área de responsabilidade do País, ao longo das 24 horas de um dia típico.

Para produzi-lo o ICEA, órgão subordinado ao DECEA, responsável pela formação dos controladores de tráfego no País, dentre outras atividades, empregou um modelador de espaço aéreo em tempo acelerado.

Note que um relógio localizado no canto direito superior do vídeo registra as horas do dia referentes aos voos. Com ele é possível confirmar algumas características particulares da dinâmica dos movimentos aéreos em nossos céus como aumento de fluxo de tráfego entre o Brasil e o exterior (sobretudo Europa e América do Norte) ao longo da madrugada, já que a maioria das companhias aéreas que operam nessas rotas opta por chegar a seus destinos no início do dia.

Do mesmo modo, amanhecendo, os jumbos transatlânticos dão vez a um volume ainda maior de voos domésticos, principalmente no Centro-Sul do País. Confira e compartilhe!

 

Daniel MarinhoEditor/ Redatordanieldhm@decea.gov.br