Voos no Brasil estão, atualmente, entre os mais pontuais do mundo; dizem os britânicos. A gente explica

Responda rápido: em qual aeroporto os voos são mais pontuais? Changi, o entreposto futurista de Cingapura; Paris-Charles-de-Gaulle, a porta de entrada da França; Heathrow (Londres), o mais movimentado da Europa; Atlanta (EUA), o mais movimentado do mundo, ou algum hub tupiniquim, como Congonhas e Guarulhos?

14144420660_87e1fbf002_k

Aeronave sobre um Auxílio de Navegação na aproximação final para pouso em Brasília (Foto: Fabio Maciel)

 

Cuidado para não queimar a língua. Em 2015, os dois aeroportos paulistas embarcaram e desembarcaram passageiros com mais pontualidade do que todos esses. Não só eles. Põe na lista também  Dubai, Frankfurt, Hong Kong, Sidney, Seul, ou qualquer aeroporto norte-americano: Dallas, Chicago, Los Angeles, Nova York… you name it!

Essa é a constatação do respeitadíssimo estudo da consultoria britânica Official Airline Guide (OAG), especializada em inteligência de mercado de aviação, da AXIO Group, com sede em Londres e escritórios nas principais capitais do mundo.

O relatório OAG Punctuality League 2015 – On-time performance results for airlines and airports, publicado em janeiro, considerou uma base de dados de 50 milhões de voos realizados por mais de 900 cias aéreas em mais de 4 mil aeroportos, o que a permitiu o rastreamento de cerca de 110 mil voos diariamente. Informações detalhadas das operações aéreas mundiais, viabilizadas, sobretudo, pelos dados aferidos pela provedora de informações de voos em tempo real Flight View, incorporada à OAG no início do ano passado.

Megahubs

O relatório consolidou os registros de pontualidade dos principais terminais e cias aéreas conforme o índice OTP  (On-Time Performance): partidas e chegadas que ocorrem em menos de 15 minutos do horário previsto. Para 2015, a OAG abarcou, pela primeira vez, estatísticas relativas à aviação latino americana, cujas performances de pontualidade, ao que parece, andavam um tanto subestimadas.

A conclusão é a de que a navegação aérea brasileira figura em posição de prestígio no cenário mundial no que diz respeito ao assunto. Segundo o estudo, Congonhas é o segundo “megahub” mais pontual do mundo, com um índice OTP de 87,8%, seguido por Guarulhos, com 87,47% dos voos partindo no horário programado em 2015. Atrás apenas do Aeroporto Internacional de Haneda, em Tóquio, 91,2%.

Além dos “megahubs”, aeroportos de maior número de conexões no planeta, o estudo relaciona três categorias de aeródromos, conforme o número de passagens vendidas/ano: Continue reading

Aviões poderão pousar (ou decolar) ao mesmo tempo no aeroporto de Brasília. Entenda

Com duas pistas operando independentemente,  aeroporto aumentará ainda mais sua capacidade operacional

Pouso paralelo

 

Dois aviões podem pousar  ao mesmo tempo no mesmo aeroporto? Teoricamente, não haveria problema. Bastariam duas pistas. Na prática, porém, esse pouso é ‘mais embaixo’.

Ainda que a moderna geometria analítica postule que as paralelas se cruzariam no infinito, até hoje não há melhor meio de pousar e decolar o maior número de aviões num mesmo aeroporto do que dispondo-o de pistas lado a lado. Ao menos, enquanto não se voar no infinito.

É o caso do Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. Inaugurado antes mesmo da Capital Federal, em 1957, o aeroporto é um dos poucos do País detentor desse “layout” ideal para operar com pistas independentes: duas longas retas paralelas, distantes suficientemente uma da outra, ao alcance visual de uma Torre.

Não à toa, a partir de novembro desse ano, o “JK” iniciará a operação independente de suas duas pistas, viabilizando as chamadas operações paralelas simultâneas independentes, quando dois aviões poderão pousar (ou decolar) ao mesmo tempo do aeroporto.

Esse ganho de capacidade operacional é resultado de um amplo trabalho realizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), destinado a otimização dos fluxos de tráfego na terminal aérea de Brasília com a implementação de novos procedimentos PBN (em português, Navegação Baseada em Performance) especificamente orientados às referidas operações. O aeroporto, aliás, será o primeiro de toda a América do Sul a poder pousar ou decolar aviões simultaneamente nessas condições.

Na prática, é como se houvesse dois aeroportos funcionando separadamente, uma vez que, a partir de então, cada pista terá suas três posições de controle na Torre, operando com auxílios a navegação aérea próprios.

Para compreender melhor as operações paralelas independentes num aeroporto, assista o vídeo abaixo que registra o pouso simultâneo de dois Boeings de grande porte ( Boeing 777 da Asiana Airlines, no primeiro plano, e  um 757 da United Airlines, no segundo) no Aeroporto Internacional de São Francisco, na Califórnia, Estados Unidos.

 

 

A capacidade de pista do aeroporto de Brasília (pousos e decolagens por hora), que já vinha aumentando nos últimos anos, crescerá agora cerca de 30%. A partir de novembro, Continue reading