Notícia Destaque

Tefé, mais uma localidade atendida pela Missão de Assistência Integrada Itinerante do DECEA

O DTCEA-TF, comandado pelo 1º Tenente Especialista em Meteorologia Edson Queiroz de Oliveira, recebeu a equipe da Missão de Assistência Integrada Itinerante.


publicado: 12/08/2019 09:33

 




Uma cidade localizada no meio da floresta Amazônica, banhada pelo Lago Tefé e pelo Rio Solimões, com população com pouco mais de 65 mil, assim é Tefé, distante 522 km de Manaus, onde se chega por avião (uma hora e 10 minutos de voo), ou por lancha rápida (de 12 a 13 horas) ou embarcação regional (36 horas de viagem).


Há, para a comunidade tefeense, o privilégio de ter representação das três Forças Armadas na cidade: o Exército, com a 16ª Brigada de Infantaria de Selva e organizações subordinadas, a Aeronáutica, com o DTCEA-TF, e a Marinha do Brasil com a Agência Fluvial de Tefé.

No DTCEA-TF, subordinado ao Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV), trabalham 13 soldados, seis graduados e um oficial. Seus filhos, cônjuges e pais têm necessidades básicas de atendimentos médicos, sociais e psicológicos. Mas, na cidade, o atendimento médico da população é prestado pelo Hospital Regional de Tefé, que só conta com cirurgião-geral, obstetra e anestesista.

Os militares usufruem, também, do Posto Médico de Guarnição (PMGu Tefé) do Exército Brasileiro, que presta atendimento em odontologia, clínica geral e fisioterapia. Se o paciente precisar ser atendido em outras especialidades ou de exames mais específicos, tem que procurar o serviço particular, que é inconsistente, devido a falta de médicos na cidade e também de estrutura. O saneamento básico precário agrava os riscos para a saúde do militar e de sua família. Outra preocupação é que o Funsa (Fundo de Saúde da Aeronáutica) não tem convênio com as clínicas e laboratórios locais, então, se houver necessidade de tratamento com algum especialista ou de exame urgente, paga-se pelo tratamento particular e aguarda o reembolso. Outra opção é ser evacuado para Manaus, o que ocorre se for algo mais complexo.

Para amenizar a demanda de assistência médica dos militares, dependentes e pensionistas das três Forças, o EB promove caravanas de saúde de dois em dois meses, assim como a Aeronáutica com a Missão de Assistência Integrada Itinerante, pelo menos duas vezes por ano.

A chegada da caravana da saúde ou da missão de assistência integrada itinerante à uma cidade isolada amplia o atendimento de saúde dos militares e fortalece as instituições. A FAB trabalhando dentro de um quartel do Exército, em um posto médico, atendendo as famílias dos militares das três Forças é extremamente relevante, principalmente pelos resultados apresentados. Foram três dias de intensas atividades dos profissionais da área de saúde, 15, 16 e 17 de julho, quando foram realizados 187 atendimentos nas especialidades de Ginecologia, Pediatria e Dermatologia; 35 exames de laboratório e 71 ultrassonografias (obstétrica, pélvica, mama, transvaginal, tireóide).

O PMGu Tefé é chefiado pelo Major Dentista Marco Antonio Lavorato de Almeida, que se mostrou bastante entusiasmado com a contribuição do DECEA. "Essa disponibilidade da FAB, em trazer especialistas para o atendimento aos militares de Tefé são muito importantes pela carência que temos com a saúde", declarou o Major Lavorato.

A equipe recebeu apoio estrutural da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, comandada pelo General de Brigada Carlos Feitosa Rodrigues. "As caravanas de saúde são bem semelhantes às missões itinerantes, uma complementa a outra. Ambas trazem o atendimento de saúde na ponta da linha com especialistas que não há no posto médico da guarnição. Por isso, quando acontecem essas caravanas ou missões, o número de pacientes aumenta e torna-se extremamente importante essa complementabilidade. Nessas ocasiões, a família militar consegue entender que o apoio de saúde que é dado pelas Forças Armadas, de uma certa forma, é um conforto e dá credibilidade ao sistema", observou o General de Brigada Carlos Feitosa Rodrigues.

 

Os atendimentos

A equipe médica da missão foi chefiada pela Tenente-Coronel Médica Rosieny Santos Soares Ferreira (ginecologista) do Hospital de Aeronáutica de Manaus (HAMN), que trouxe mais dois médicos para compor o quadro: dermatologia, pelo 2º Tenente Médico Júlio Nakano Júnior, e pediatria, pela 2º Tenente Médica Vanessa da Silva Soares Ferreira.

O Cabo Músico Wallenston Mendes acompanhou a esposa Hellen Beatriz à consulta da filha Isabelle, de 8 meses, com queixa de alergia. "Foi o melhor dermatologista que encontramos. Ele esclareceu todas as nossas dúvidas e, mesmo sendo uma alergia típica por conta do clima da nossa região, ele não banalizou a situação e nos orientou como proceder no caso da Isabella", contou o músico.

Segundo o Tenente Nakano, na missão em Tefé, os atendimentos mais expressivos foram de dermatite atópica e seborréica, pano branco,  queda de cabelo, fungos nas unhas, alergias diversas (típicas da região). Especialista em alopecia androgenética (calvície), o médico revela que a doença incomoda a muitos homens e que fez muitos atendimentos desse caso em Tefé.

A Sargento Nívea Rodrigues, técnica de enfermagem, é casada com militar do EB. Os dois são cariocas e têm um filho. Escolheram servir em Tefé, gostam da cidade, mas sofrem com a precária assistência médica da região. Na missão, a militar foi atendida pela ginecologista com exames de ultrassonografia transvaginal e mamária. Também trouxe o resultado de exames solicitados pela caravana do Exército. "A Tenente-Coronel Rosieny me explicou com detalhes o resultado e também esclareceu minhas dúvidas sobre o uso do anticoncepcional" - elogiou a sargento.

A pediatra, Tenente Vanessa, está em sua segunda missão itinerante. A primeira foi em Eirunepé (AM). Bastante motivada com a missão, a médica está a quatro anos servindo no HAMN e, no PMGu Tefé atendeu a um caso de automutilação, o que a deixou bastante preocupada com a difusão do pensamento que chegou até o interior do Amazonas, trazendo sofrimento para as famílias. Após o atendimento, a paciente foi encaminhada para a Psicologia, sendo atendida pela Tenente Rebeca, que orientou tanto a adolescente quanto a mãe a procurar tratamento com especialista.

A médica observou diversos casos de parasitose intestinal e percebeu que os pais têm pouca informação sobre conceitos básicos de saúde da criança, principalmente no caso dos mais novos, como os soldados.  A Tenente Vanessa conhece bem essa realidade, pois fez estágio no interior do Amazonas. Além disso, soma sua experiência de quatro anos no HAMN, o que enriquece seu conhecimento. "Temos a oportunidade de compartilhar experiências com outros profissionais também comprometidos com essa população mais carente. Sempre procuro dar o melhor atendimento e é uma preocupação minha promover o bem-estar do paciente, seja ele militar ou da comunidade" - revelou a médica.

O ultrassom do HAMN foi a estrela da missão itinerante em Tefé. O exame de imagem contribuiu para o diagnóstico de diversas doenças em diferentes partes do corpo. Um dos beneficiados foi o filho do Sargento F. Santos, do EB, que veio à consulta com a pediatra. A família está em Tefé desde novembro de 2018, oriundos de Ponta Grossa, no Paraná. Após verificar um nódulo no pescoço da criança, a médica pediatra solicitou uma ultrassonografia da tiróide. Após o exame, foi verificado que era uma íngua, nada mais sério, o que acalmou o coração da mãe, Karen. O militar já serviu à FAB como soldado nos anos 97/98, no CINDACTA II, em Curitiba.

Paciente da ginecologia, a carioca Melissa Cardoso Sposito, de 25 anos, está grávida de seu primeiro bebê. Ela é esposa do Sargento Marques, do EB, e estão em Tefé desde dezembro do ano passado, quando descobriram a gravidez. Passados sete meses de gestação, bem próximo ao parto, ela aproveitou para saber como estava a filhinha Malu. No posto médico ela tem o acompanhamento do pré-natal com a Tenente Médica Ana Clara de Souza Mastella, clínica-geral do posto médico da guarnição de Tefé. A médica, de 29 anos, inverteu o papel e, como paciente, foi atendida pelo dermatologista. Apresentou seu caso urticária, que tem desde criança."O Tenente Nakano foi muito atencioso e ficou de levar o meu caso para um alergologista em Manaus", revelou a médica.

Outro caso interessante, foi o de Dona Heida, diagnosticada com pólipo endocervical - bem comum nas pacientes com idade entre 30 e 50 anos e em mulheres que já chegaram à menopausa. Heida é mãe do Soldado Bruno Amaral Macedo, do DTCEA-TF. A família já estava juntando dinheiro, cerca de 5 mil reais, para que ela fizesse o procedimento em Manaus. Mas a preocupação maior não era o custo do procedimento e das despesas da viagem, e sim as questões familiares. Amaral tem mais três irmãos menores, de dois, 10, e 14 anos, que dependem muito da mãe. O pai trabalha e não teria com quem deixar as crianças nesse período de afastamento da mãe.

Heida aproveitou bem a missão itinerante, após consulta com o dermatologista, passou pela ginecologia. Após a ultrassom da paciente, a médica fez o procedimento de retirada do pólipo e, em menos de 45 minutos, tudo estava resolvido. Paciente satisfeita com o resultado e "nem precisou de exame histopatológico, pois o pólipo era benigno", revelou a Tenente-Coronel Rosieny, que foi auxiliada em todo o tempo da missão pela 2º Sargento Aline Nogueira Minervino, técnica de enfermagem, tanto nos exames de ultrassom quanto nos atendimentos.

Para a ginecologista, o ultrassom fez a diferença na missão. A médica lamenta muito pelo fim da ACISO e da falta de recursos para dar continuidade aos atendimentos. "Mas a missão itinerante do DECEA é super válida e mostra que a FAB está preocupada com seus militares. Para mim é satisfação pessoal. Às vezes, o paciente tem um problema pequeno, mas se mostra preocupado, como foi o caso do pólipo que tratei com procedimento simples no consultório e, para a paciente o caso teria que ser resolvido em Manaus, gerando custo para a família" - revelou a médica.

A Capitão Cátia Silene Menegassi, enfermeira do EB, é a coordenadora e chefe da saúde do Posto Médico da Guarnição de Tefé. A militar recepcionou e atendeu às necessidades da equipe do HAMN com material, amostras de medicamentos, agendamento e triagem dos pacientes. Contente com o reforço, a Capitão Cátia classificou a missão como excelente. "Foram mais de 200 militares atendidos. Todo mundo elogiando o tratamento diferenciado. Propaguei a chegada desse ultrassom em Tefé para todos dos meus grupos de whatsapp", conta a capitão, que também fez campanha de divulgação da missão na intranet da Brigada por meio de poup up, enfatizando o exame de imagem. "No primeiro dia de marcação das consultas, logo cedo já estava lotada a agenda da ginecologista" - conta a capitão.

O enteado do Soldado Alberto César dos Reis Santos Junior, do efetivo do DTCEA-RF, foi consultado pelo dermatologista. Com queixa de alergia a mosquito, recebeu recomendações e foi bem orientado pelo médico. Há três anos na FAB, o soldado elogiou também a apresentação da psicóloga do CINDACTA IV na palestra sobre relacionamento interpessoal. "Aprendi a me colocar no lugar do outro. A palestra tocou a todos nós" - revelou o soldado.

 

Palestras para o efetivo do DTCEA-TF

O Grupamento de Apoio de Manaus (GAP-MN) colaborou com missão enviando a assistência social, 1º Tenente Juliana Varela Maia Costa. Das atividades previstas na agenda da Tenente Juliana estava a capacitação do novo Elo Social do DTCEA-TF, o 3° Sargento Profiro Tiago da Costa Junior, que atua como técnico em Eletromecânica.

A assistente social também apresentou dois temas em palestras para o efetivo do Destacamento. Um deles, Benefícios Sociais, sempre está previsto nas missões integradas, mas em Tefé, as informações foram super valorizadas pelos militares que tinham pouco conhecimento de seus direitos junto à FAB, como projetos de saúde, educação, habitação, alimentação e funeral.

A segunda palestra foi sobre um tema bem atual: "Prevenção ao Suicídio", trazendo um alerta a todos para que observassem seus pares, com o objetivo de identificar uma pessoa sob risco de suicídio, para poder ajudar e prevenir o ato. Na apresentação, a assistente social falou da dimensão do problema, dos transtornos mentais e orientou onde buscar ajuda com um profissional de saúde.

O Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV) destacou a 2º Tenente Psicóloga Rebeca Costa Diaz para o atendimento psicológico aos militares do DTCEA-TF. A psicóloga fez um atendimento no Posto Médico, solicitado pela pediatra, conforme relatado acima, e - no DTCEA-TF, compartilhou com os militares a palestra "Relacionamento Interpessoal". Na apresentação, a Tenente Rebeca falou da habilidade de lidar com outras pessoas de forma adequada às necessidades de cada um e às exigências da situação.

Empatia foi a palavra-chave usada pelo comandante com o efetivo. "Manter bom relacionamento é importantíssimo para qualquer profissional e contribui para o clima positivo do Destacamento. Precisamos exercitar nossa capacidade de sempre nos colocar no lugar do outro para entender suas escolhas, seus problemas, suas limitações. Cada um de nós tem suas ideias, suas opções, suas motivações, então, temos que dar o primeiro passo para respeitar as pessoas com as quais convivemos a maior parte do nosso dia, o que é essencial para um bom relacionamento", alertou o Tenente Queiroz.

Outra atividade da missão foi a tentativa de credenciamento de clínicas e laboratórios de Tefé com a FUNSA. Para essa função, a 2º Tenente Enfermeira Suzinara Braga da Silva, acompanhada do Tenente Queiroz, visitou quatro estabelecimentos na cidade, em busca de futuras parcerias com a FAB.

 

Os apoios

No traslado Manaus - Tefé - Manaus a equipe e os equipamentos, incluindo o ultrassom, foram transportados em duas aeronaves Caravan pelo Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo (7º ETA).

O comandante do Destacamento contou com a dedicação de sua esposa, a Sra. Silvana, ativamente comprometida com a divulgação da missão para as esposas dos militares da Marinha e do Exército, e também na recepção da equipe. "Minha esposa se tornou Relações Públicas da missão, pois auxiliou na divulgação, na recepção à equipe e até no feedback dos pacientes sobre o atendimento médico!" - elogia o comandante.

"Essa missão para o efetivo do Destacamento é muito valiosa. Eles se sentem valorizados e surpreendidos com o que recebem. A psicóloga e a assistente social conseguiram tirar a aflição dos militares com suas apresentações, os médicos estavam atentos às declarações dos pacientes, pararam para ouvir as necessidades deles. Nós recebemos os bônus por tabela, pelo trabalho dos médicos, por representarem bem a instituição. Isso é retribuição, tanto é que os atendimentos, em sua maioria, foram para o pessoal do EB. Mas o que o Exército faz pela Aeronáutica aqui é impagável. E o relacionamento das três Forças Armadas em Tefé é solidificado com essas missões" - testifica o Tenente Queiroz.

 

Assessoria de Comunicação Social do DECEA
Reportagem: Daisy Meireles
Fotos: Daisy Meireles e DTCEA-TF