Notícia Destaque

Simulador e Workshop CPDLC contribuem para a evolução das comunicações aeronáuticas no Brasil

publicado: 28/02/2019 15:52

 




O Projeto LANDELL acaba de concluir mais uma importante etapa para a operacionalização das comunicações entre controladores e pilotos por meio de enlaces de dados no espaço aéreo continental brasileiro (CPDLC).



Foi implantado o Simulador de Pilotagem e Controle de Tráfego Aéreo por Meio de Enlace de Dados no Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV), em Manaus (AM).

A configuração e integração entre os sistemas SAGITARIO (Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatório de Interesse Operacional) e o Simulador Radar de Baixo Custo (SRBC) foi alvo do trabalho de uma equipe multidisciplinar.

No período de 4 a 15 de fevereiro, profissionais do Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA) e do Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA III) instalaram o sistema desenvolvido no âmbito do Projeto LANDELL e fizeram a configuração de dois Centros de Controle de Área (ACC), com cenários da FIR (Região de Informação de Voo) Amazônica e FIR Recife.

A implantação destes dois sistemas com a aplicação CPDLC, disponibiliza naquele Centro um ambiente de treinamento com a comunicação data link equivalente ao cenário real.

Entre os dias 18 e 22 de fevereiro, outra atividade foi realizada pela equipe do Projeto LANDELL. Nesse período foi promovido um workshop para os controladores de tráfego aéreo (ATCO) do CINDACTA IV. Além de apresentar a tecnologia, a equipe de instrutores contextualizou dados históricos do projeto, a experiência com a utilização da CPDLC no ACC Atlântico (ACC AO), em atividade desde 2009, no Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA III), a infraestrutura necessária para sua operacionalização, o planejamento do Projeto, ao tempo que contextualizou a participação dos ATCO como indispensável para a segura operacionalização da aplicação no espaço aéreo continental brasileiro.

Foram mostrados os documentos internacionais que tratam do assunto, bem como a legislação brasileira que está sendo criada para legitimar a implantação da CPDLC no Brasil. Outros pontos abordados incluíram, ainda, a capacitação dos ATCO e o cronograma de execução do LANDELL.

Nos três dias de workshop, quase a totalidade dos 192 controladores do Centro de Controle de Aérea Amazônico (ACC AZ) participou da programação, especialmente estruturada para informar e atualizar os controladores do CINDACTA IV.

A Terceiro Sargento Thais da Silva Magalhães, de 23 anos, há cinco em Manaus, não pensa em deixar a organização. Ela já tinha ouvido falar em CPDLC de forma superficial, mas surpreendeu-se ao descobrir o quanto a ferramenta vai ajudar em seu dia a dia, será uma evolução tecnológica.

“Vai ajudar muito em nossa operação. Aqui na Região Amazônica temos dificuldades de comunicação, seja por causa dos chiados ou de congestionamento na frequência”, revelou. Para ela, a forma como o tema foi tratado no workshop foi adequada, já que todos conseguiram entender apropriadamente a teoria e a prática. Em sua opinião, após a fase inicial de adaptação, tal como aconteceu quando o sistema X-4000 migrou para o Sagitario: “tudo ficará tranquilo”.

O Primeiro Sargento Mário de Azevedo Jeronymo, há quinze anos na função de controlador, também já tinha ouvido falar do tema, mas buscou informações mais detalhadas em matérias que tratavam do assunto. “Foi natural, primeiro a informação chegou boca a boca, mas como em nossa profissão usamos muito a tecnologia, recebi a novidade com naturalidade”.

Jeronymo descreve com muito entusiasmo os recursos do SAGITARIO a serem implementados como uma das entregas do Projeto LANDELL e a possibilidade de serem feitas autorizações de forma inequívoca.  Ele acredita que o Sistema hoje tem recursos não explorados. “É notável, tem muito mais coisa para ser implementada”, avaliou.

A controladora, com formação em jornalismo, Segundo Sargento Mistyla Andrews Correa Silva, já conhecia o assunto por já ter escrito um texto sobre a CPDLC. “Para mim isto representa o futuro, o que nós controladores sempre quisemos. Em nosso trabalho temos que repetir as mesmas instruções, o problema é quando o piloto entende o que quer”.

Mystila acha que o uso do CPDLC irá mitigar os problemas de comunicação que podem acontecer por barreiras linguísticas, problemas relacionados ao sotaque, pessoas que falam outros idiomas, pilotos e controladores, falando o inglês. Para ela, haverá diminuição da carga de trabalho e a frequência ficará descongestionada.

“Com a CPDLC isto não vai acontecer, as mensagens vão chegar, até podem aparecer ao mesmo tempo, mas daremos prioridade a quem de fato precisa. Vai ser muito bom, estamos ansiosos e otimistas para que seja implantado logo, vai ser ótimo. É um sonho para o controlador falar e o piloto entender”, completou.

O supervisor do ACC Amazônico, Segundo Sargento Victor Jeffrey de Souza Pantoja, que participou da primeira turma do curso ATM 042, realizada no Instituto do Espaço Aéreo (ICEA), em São José dos Campos (SP), no período de 28 de janeiro a 08 de fevereiro, lembrou uma palestra que assistiu sobre o tema.

Ao fazer o curso, viu de perto a ferramenta de envio e recebimento de mensagens, assim como as vantagens deste tipo de comunicação, como por exemplo, a segurança com relação as mensagens pré-formatadas para que não haja desvio da fraseologia padrão. Jeffrey também buscou informações no site do DECEA, e, como outros participantes, acredita que o uso da ferramenta vai ajudar.

“Toda mudança gera certas barreiras no início, achava que a CPDLC não funcionaria em nossa região, mas como a implantação será feita em fases, o conhecimento virá gradativamente”, explicou.  Ao elogiar os instrutores do curso, lembrou que no terceiro dia da parte prática, sentiu-se mais adaptado a ferramenta a ponto de conseguir executar ações na pilotagem e no controle. “Ao final já sabíamos a posição das mensagens para enviá-las com mais rapidez na instrução ao piloto”, completou.

Reunião Grupo de Trabalho

A semana de 18 a 22 de fevereiro, também foi de intensa atividade laboral para os onze subgrupos que compõem o Projeto LANDELL. Além da atualização sobre o avanço do cronograma de execução, o gerente do Projeto LANDELL, o Capitão Especialista em Comunicações Marcelo Mello Fagundes descreveu o escopo geral e revisou as recomendações da última reunião.

“O grupo está totalmente comprometido, por isso, o Projeto segue conforme o planejado e importantes avanços já foram realizados. Mas há muito trabalho colaborativo ainda a ser realizado juntamente com a comunidade aeronáutica”, esclareceu o Capitão Fagundes.

O projeto LANDELL é um dos Empreendimentos do Programa SIRIUS Brasil: “Infraestrutura e Aplicações de Comunicações Ar-Terra e Terra-Terra”. A utilização do data link pretende proporcionar o incremento da segurança operacional, redução da carga de trabalho para ATCO e pilotos e a melhoria do serviço de controle de tráfego aéreo, já que este será um meio adicional para as comunicações aeronáuticas atuais.

Assessoria de Comunicação Social do DECEA

Reportagem: Gisele Bastos

Fotos: S1 SAD Caio da Silva Pinheiro (Seção de Comunicação Social CINDACTA IV)

       S2 Pedro Abensur da Silva (Seção de Comunicação Social CINDACTA IV)