Notícias

Inclusão social por meio do esporte

Programa Forças no Esporte desenvolvido no CINDACTA II atende 500 crianças e adolescentes e já mostra resultados


publicado: 27/02/2019 09:45

 




O estudante Gustavo da Silva Amaral tinha 14 anos quando entrou para o Programa Segundo Tempo – Forças no Esporte (PROFESP), no ano de 2015, no Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II), em Curitiba (PR).



Apesar de nunca ter tido contato com corrida de orientação, rapidamente se identificou com a modalidade esportiva e começou a participar de diversas competições. Hoje, o jovem de 17 anos, coleciona títulos. Em 2017, foi campeão brasileiro na modalidade sprint, que tem o objetivo de permitir a participação dos atletas em uma corrida de orientação em ambiente urbano. Já em 2018, conquistou a primeira colocação no Campeonato Metropolitano de Orientação de Curitiba e o terceiro lugar no Campeonato Brasileiro de Orientação.

“O projeto ampliou minhas expectativas e me ajudou a crescer não só como atleta, mas como uma pessoa melhor na sociedade, além de nutrir o meu sonho de ingressar na Força Aérea Brasileira (FAB) como atleta de alto rendimento”, diz o estudante.

No Programa de Atletas de Alto Rendimento das Forças Armadas, desenvolvido pelo Ministério da Defesa em parceria com o Ministério da Cidadania, os atletas têm direito à uma renda mensal, 13º salário e locais para treinar em instalações da Aeronáutica, Exército ou Marinha. As seleções são por meio de editais públicos que avaliam o currículo esportivo, resultados e posição no ranking.

Segundo o Sargento Irajá Bozza Vieira, professor da modalidade de orientação do PROFESP, vivenciar os resultados de sua dedicação tem feito Gustavo ir ainda mais fundo nos treinamentos. “Além de praticar a atividade no projeto, ele treina sozinho, constrói pistas na região onde mora e elabora mapas para praticar o esporte”, afirma o Sargento Irajá, que treina as crianças e os adolescentes desde 2016.

O aluno Gustavo personifica o exemplo de como um projeto, criado em 2015, contribui para mudar a realidade de jovens moradores em áreas de vulnerabilidade social. História como essa se repete, também, na vida de outras crianças e adolescentes que participam das atividades do PROFESP, fruto de uma parceria entre os ministérios da Defesa (MD), da Cidadania, da Educação, e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MDH).

Identificando talentos

É o caso de Ramon Mikael Luz da Rosa, 17 anos, que é campeão paranaense de jiu-jitsu e de luta olímpica pelos jogos escolares. O jovem já tem sua meta bem definida para os próximos anos. “Vou me alistar nas Forças Armadas, mas pretendo continuar competindo e espero conquistar outros títulos”, almeja.

O pai de Ramon, Osires Vieira da Rosa, revela a satisfação com as escolhas do filho. “O programa está sendo muito importante para o seu desenvolvimento. Ele aprendeu a ter mais disciplina e o contato com os militares despertou nele o interesse pela carreira”. Seus outros dois filhos, Renan Kaike Luz da Rosa, de 16 anos, e Ruan Paplo da Rosa, 15 anos, também estão participando do projeto.

Sobre a potencialidade do esporte na formação de crianças e jovens, Osires acredita que o principal aprendizado de cidadania acontece durante as atividades do projeto. “De maneira natural, conseguimos passar a importância da disciplina, da convivência em grupo e oferecer uma perspectiva de vida para eles”, destaca o pai, que também é professor de jiu-jitsu e voluntário no projeto.

Para o professor de jiu-jitsu, Sargento Rafael Capellini Pacheco, os movimentos praticados em aula auxiliam o controle motor, autoconfiança, melhorando seus reflexos e condicionamento físico para seu desenvolvimento durante a vida. “São pequenas atitudes, como por exemplo solicitar permissão para entrar no tatame e deixar a roupa e o sapato no lugar correto, que os tornam mais organizados e respeitosos com o próximo”, justifica.

Trajetória do PROFESP no CINDACTA II

O coordenador do programa, Capitão da Reserva Áureo dos Santos Marcondes, explica que projeto, ao iniciar em maio de 2015, atendia cerca de 100 crianças e adolescentes, entre 7 e 17 anos, da rede pública de ensino de Curitiba e Pinhais. Após quatro anos, esse panorama ganhou novos contornos. “A quantidade de beneficiários neste ano atingiu 500 alunos e aumentou o número de locais apoiados pelo projeto, contemplando - além dos bairros de Vargem Grande, em Pinhais, e Cajuru, em Curitiba – também Bacacheri, Solar e Abranches”, comemora o Capitão Marcondes.

São oferecidas duas refeições diárias e práticas esportivas e militares, além de atividades socioeducativas, que acontecem três vezes por semana, durante o contraturno escolar. O programa conta com o apoio de militares do efetivo e de professores de educação física da rede municipal de ensino.

Segundo o comandante interino do CINDACTA II, Coronel Aviador Marcos Kentaro Adachi, o esforço e a dedicação dos voluntários são fundamentais para o sucesso do projeto. “O PROFESP é uma grande iniciativa do Governo Federal e muito importante por vários aspectos, pois permite às crianças em situação de vulnerabilidade social terem acesso ao ambiente das Forças Armadas, além de preencher o tempo delas com atividades esportivas, possibilitando a ocupação, o crescimento e cria oportunidades para esses jovens”, ressalta o Coronel Adachi.

Para o pedagogo da Escola Municipal Ulysses Silveira Guimarães, Jorge Paulo dos Santos, o ingresso das crianças no projeto trouxe vários benefícios: “Tivemos um retorno muito positivo, tanto em questões comportamentais quanto no rendimento escolar. O programa contribuiu no aspecto social, cognitivo e desportivo, trazendo ganhos para a vida desses alunos. Percebemos também uma grande adesão das famílias das crianças e interação com o projeto”.

Parcerias

Algumas das contrapartidas do Programa Forças no Esporte são as parcerias firmadas entre o CINDACTA II e diversas instituições governamentais, como o Grupamento de Apoio de Curitiba (GAP-CT), a Prefeitura de Aeronáutica de Curitiba (PACT) e o Esquadrão de Saúde de Curitiba (ES-CT).

Com o objetivo de fornecer oportunidades para que esses jovens, ao atingirem a idade limite do programa, tenham chances de ingressar no mercado de trabalho, o PROFESP fez uma parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), que disponibilizou o curso de gastronomia para alguns alunos participantes do projeto. “O Forças no Esporte abriu novas perspectivas de vida para mim. Participar do curso de gastronomia é de grande valia para a minha carreira”, conta o aluno Ramon, que está empolgado em aproveitar tudo o que o projeto tem a oferecer, inclusive mais possibilidades de estudo.

Embora a principal finalidade seja a inclusão social de jovens em situação de risco por meio do esporte, o PROFESP também tem delineado outras linhas de atuação. Foi firmada a parceria com a Universidade UniBrasil, que concede bolsa de estudo para alunos do projeto. “É um orgulho contribuir com o Programa Forças no Esporte, agregando na formação destes jovens, a sensibilidade aos aspectos indispensáveis do mercado de trabalho e da realidade social, criando um ambiente propício à aprendizagem e formação profissional dos jovens envolvidos no projeto”, declara a reitora do UniBrasil, Professora Doutora Lilian Pereira Ferrari.

Do mesmo sentimento compartilha o Professor Doutor Valter Fernandes da Cunha Filho, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Assuntos Comunitários (PROPPEx): “Vejo essa parceria como uma cooperação socialmente produtiva. Enquanto o CINDACTA II cuida do cidadão em sua infância e adolescência, a universidade orienta na fase adulta capacitando-o para a vida profissional”.

Sem dúvida, o projeto está seguindo seu objetivo: promover a inclusão social por meio do acesso à prática e à cultura do esporte, além de dar oportunidade para que esses jovens tenham um futuro promissor.

Assessoria de Comunicação Social do DECEA

Reportagem: Denise Fontes

Fotos: Luiz Eduardo Perez

Assunto(s): CINDACTA II PROFESP