Notícias

DECEA divulga Reporte de Condição de Pista no Portal AISWEB

publicado: 27/09/2019 10:08

 




Quando se pensa em aviação, se pensa em transporte aéreo, em vidas sendo levadas a um determinado destino – seja a trabalho ou lazer – e, acima de tudo, em segurança.

Dentre as muitas variáveis que garantem a segurança de uma operação – seja pilotar a aeronave, controlar um voo – está a comunicação. Informação é crucial para a manutenção da segurança.

Quem tem acesso à informação tem poder de escolha, tem condições para tomar decisões.

Assim, quanto maior foi a quantidade de dados, somados à qualidade e à fidelidade dos mesmos, melhor será. Segurança pede comunicação, precisão, confiança, acessibilidade e, no que diz respeito ao voo, pronta-resposta.

Desde o dia 20 de setembro, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio da sua Assessoria de Transformação Digital (ATD), disponibiliza no site dos Serviços de Informações Aeronáuticas do Brasil - o AISWEB – o Reporte de Condição de Pista (RCR).

Trata-se da divulgação da condição da superfície da pista dos aeródromos, com o objetivo de identificar se há nelas algum elemento contaminante, como água, neve, lama, gelo ou geada, que possa provocar algum risco operacional para pousos e decolagens.

Este levantamento é feito ao analisar cada pista em três partes distintas e a avaliação é realizada por um operador aeroportuário.

Depois de analisar cada um dos três trechos da pista, a informação é transmitida ao Órgão de Serviço de Tráfego Aéreo que, por sua vez, transmitirá as condições ao piloto, por meio do Sistema Automático de Informação Terminal (ATIS).

O RCR é uma classificação preconizada pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) – presente no Doc. 9981 – voltada para indicação de uso de pista mediante análise das condições meteorológicas em um determinado aeródromo.

Estes dados meteorológicos são tratados pelo Grupo Regional de Aviação de Segurança – Pan America (RASG-PA) como “fatores de contaminação de pista, que podem vir a afetar a capacidade de frenagem e aceleração e, consequentemente, de controle de uma aeronave”.

Outra vantagem deste reporte é que as informações geradas são salvas em uma base de dados para poderem sem avaliadas e estudadas.

Aqui no Brasil, o projeto tem a coordenação geral da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), contando com a colaboração do DECEA para sua execução.

O período de testes do Reporte começou no dia 16 de setembro no Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba (PR), sendo este o projeto piloto.

A escolha deste aeroporto se deu por estar localizado na região sul do Brasil, onde as questões climáticas cooperam para as diferentes análises da pista; por ter um volume médio de tráfegos aéreos e por enfrentar condições adversas de meteorologia.

O Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II) está acompanhando todo o processo e prestando todo o suporte necessário e, de acordo com informações da Seção de Planejamento de Gerenciamento de Tráfego Aéreo (DPLN-1) do DECEA, ainda não há um cronograma de expansão deste recurso para outros aeroportos.

O trabalho realizado pelo CINDACTA II é um projeto piloto e o DECEA está avaliando e desenvolvendo os critérios, checando o impacto nas normas e avaliando diversos outros parâmetros. Após a coleta dos resultados, haverá um planejamento para uma implementação nacional.

Os objetivos desse projeto são validar as ferramentas e fluxos de informações e, também, gerar uma maior interação entre todos os players envolvidos na implementação desse normativo para, assim, poder trazer mais assertividade à novidade regulatória.

Treinamento é mesmo crucial para que os dados gerados sejam fidedignos. Desta maneira, este projeto piloto encontra-se na fase de capacitação dos ficais de pátio e controladores de tráfego para que possam, cada um dentro de suas responsabilidades, gerar e recepcionar as informações.

Segundo o chefe da ATD, João Ximenes, “O RCR é o primeiro produto do AISWEB cuja divulgação fica por conta do originador, sem a necessidade de outras validações para ser publicado. Isso é uma inovação importante, pois traz um maior dinamismo e permite criarmos outros produtos que também possam se aproveitar da agilidade desse processo”.

O Reporte pode ser acessado de duas maneiras:

- Clicando aba Aeródromos do menu principal do Portal AISWEB, onde o usuário tem acesso aos reportes, sendo o mais recente mostrado no topo da lista. Com o objetivo de facilitar ao Despachante Operacional de Voo (DOV) a visualização de novas informações, a coluna Atualização indica há quantas horas o reporte foi feito – os registros feitos a menos de 24 horas aparecem na cor verde.

 



 

- Acessando os dados na busca por aeródromo do ROTAER. Para os aeródromos que possuem essa informação (no momento só o de Curitiba), o RCR é mostrado à direita da tela.

 



 

Entendendo os dados

Reporte RwyCC é uma sequência de três números com cores que correspondem à descrição da superfície da pista de acordo com os seguintes dados:

- 6 (verde): pista seca (DRY);

- 5 (azul): geada (FROST), molhada (WET), lama ou neve semiderretida (SLUSH), neve seca (DRY SNOW), neve úmida (WET SNOW) – até 3mm de profundidade;

- 4 (roxo): neve compactada (COMPACT SNOW);

- 3 (amarelo): pista molhada (WET), neve seca (DRY SNOW), neve úmida (WET SNOW) – mais de 3 mm de profundidade;

- 2 (alaranjado): água empoçada (STANDING WATER), neve semiderretida (SLUSH) – mais de 3 mm de profundidade;

- 1 (vermelho): gelo (ICE);

- 0 (preto): gelo úmido (WET ICE), água sobre neve compactada (WATER ON TOP OF COMPACTED SNOW), neve seca sobre gelo (DRY SNOW OR WET SNOW ON TOP OF ICE).

Reporte de Ação de Frenagem (Report Braking Action RBA) corresponde às seguintes classificações:

- Boa (GOOD): a desaceleração de frenagem é normal para o esforço de frenagem aplicado pelas rodas E o controle direcional é normal;

- Boa para médio (GOOD TO MEDIUM): a desaceleração de frenagem OU o controle direcional está entre Bom e Médio;

- Médio (MEDIUM): a desaceleração de frenagem é perceptivelmente reduzida para o esforço de frenagem aplicado pelas rodas OU o controle direcional é perceptivelmente reduzido;

- Médio para ruim (MEDIUM TO POOR): a desaceleração de frenagem OU o controle direcional estão entre perceptivelmente e significativamente reduzidos;

- Ruim (POOR): a desaceleração de frenagem é significantemente reduzida para o esforço de frenagem aplicado OU o controle direcional é significantemente reduzido;

- Menos do que ruim (LESS THAN POOR): a desaceleração de frenagem é mínima para o esforço de frenagem aplicado OU o controle direcional é incerto.

 



 

Assessoria de Comunicação Social do DECEA
Texto: Telma Penteado – jornalista

Assunto(s): SDOP aisweb RCR