Notícia Destaque

Chapada dos Guimarães recebe a Missão Itinerante do DECEA em clima de montanha

publicado: 05/08/2019 15:47

 




A Missão de Assistência Integrada Itinerante também aproxima a Força Aérea Brasileira (FAB) da sociedade e duas palavras sintetizam o estreitamento dessa relação: solidariedade e operacionalidade. Sua atuação foi no apoio ao efetivo, militares da reserva, dependentes do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Chapada dos Guimarães (DTCEA-GI) e pessoas da comunidade, no período de 3 a 6 de julho, onde levaram um pouco mais de qualidade de vida e saúde para esse povo que vive um pouco isolado dos grandes centros.



Uma missão planejada pelo Subdepartamento de Administração (SDAD) do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), em parceria com o Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I), com o Hospital de Força Aérea de Brasília (HFAB), Odontoclínica de Aeronáutica de Brasília (OABR) e com o Sexto Esquadrão de Transporte Aéreo (6º ETA), a Missão de Assistência Integrada Itinerante apoiou pela segunda vez o DTCEA-GI. Participaram da ação 17 profissionais.

Sua atuação é atender ao maior número de demandas de saúde, através de consultas e exames médicos e odontológicos, bem como atender ao maior número de demandas sociais e psicológicas, através de atendimentos e ações preventivas, socioeducativas e promocionais, para o efetivo e seus dependentes nos Destacamentos de Controle do Espaço Aéreo (DTCEA) que apresentam óbices no apoio à saúde.

Integrar o território nacional também é missão da FAB. Grande parte das aeronaves da FAB proporciona a integração do Brasil em diferentes missões, e a de saúde é uma delas, ações que levam direitos fundamentais à população carente em regiões de difícil acesso do país.

À bordo da aeronave vinda de Barra do Garças com a mesma tripulação, com profissionais da área de saúde, muitos equipamentos, medicamentos, aparelhagens, de forma a instalar o complexo hospitalar provisório. Os pacientes foram atendidos pela equipe da triagem e depois consultados pelos médicos. Voando para transformar mais vidas.

A Chapada dos Guimarães registrou máxima de 9ºC no período da missão. A Praça Dom Wunibaldo, no centro da cidade, ficou tomada por neblina, vento e névoa.

A mudança na paisagem atraiu a equipe para tirar fotos na praça. O termômetro no local marcava 9ºC antes das 9h (horário local). Os moradores e a equipe reforçaram a vestimenta: luvas, casacos pesados e gorros.

Chapada dos Guimarães é um município brasileiro no estado de Mato Grosso, pertencente a Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá. Possui vários pontos turísticos como, por exemplo, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, com cachoeiras, cavernas, lagoas e trilhas em meio a uma natureza típica de cerrado, vegetação predominante na cidade.

Impressionantes paredões de arenito vermelho-alaranjado - marcas registradas da Chapada dos Guimarães - dão as boas-vindas aos turistas que aportam na cidade, a apenas 69 km da capital Cuiabá.

Além de seus mistérios, é uma região cheia de belezas, com dezenas de cachoeiras maravilhosas, deslumbrantes paredões, rodeada de uma exuberante flora e fauna, cavernas, lagoas e trilhas, atrativos para inúmeros pesquisadores, que visitam a região cercada de vários registros arqueológicos.

A Chapada dos Guimarães é um dos destinos de natureza mais famosos do país. Recebe cerca de 150 mil turistas por ano, entre brasileiros e estrangeiros e ocupa uma área de 320 mil quilômetros quadrados, conservada pelo Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Entre as atrações mais emblemáticas estão a cachoeira Véu da Noiva e os mirantes Morro São Jerônimo e Mirante Geodésico.

Famosa pela beleza, a região também é conhecida pela aura mística: há quem defenda que o local sofre a influência de fluxos de energia e já registrou atividades de óvnis.

A meta é promover, através das ações realizadas, melhoria da qualidade de vida do efetivo e seus dependentes, bem como, da garantia do acesso aos benefícios sociais, atendimento, acompanhamento em saúde em instituições credenciadas e benefícios em estabelecimentos parceiros.

Com isso a FAB ajuda a encurtar distâncias, apoiando às comunidades isoladas. Uma característica valiosa, que deve ser cada vez mais trabalhada, explorada e empregada. Fazendo a sociedade entender melhor as atividades da Força Aérea, além da oportunidade de incrementar ainda mais os laços com os moradores do entorno. Fora que participar dessa missão é uma oportunidade de prestar um serviço valioso aos cidadãos brasileiros, um sentimento de ser útil à nação.

A missão da Aeronáutica atendeu 279 pessoas no Programa de Saúde da Família (PSF) Olho D´Água I e II, pacientes que estão na lista de espera do SUS e de servidores inscritos para atendimento nas várias especialidades ofertadas. Esta é a contrapartida e agradecimento do Destacamento pela utilização do espaço para atender o seu efetivo.

Os detalhes da parceria foram definidos em reunião entre a prefeita de Chapada, Thelma Pimentel Figueiredo de Oliveira, o comandante do DTCEA-GI, Tenente Osvaldo Pacheco da Silva, representantes do DTCEA, Secretário de Saúde e a Secretária de Planejamento.

Segundo o Tenente Pacheco, a qualidade de vida do servidor é fundamental para garantir um bom atendimento ao cidadão. Ele ressaltou a importância do Programa Qualidade de Vida desenvolvido pela prefeitura para atender os servidores públicos municipais. "Fazemos questão de atender os servidores da prefeitura, entendemos a importância de um projeto que visa melhorar a qualidade de vida dos funcionários e seu ambiente de trabalho", ressaltou.

Foram feitas consultas em diversas especialidades médicas, como:

- 26 em clínica médica - Aspirante Marcos Henrique Domingues Félix

- 44 em ortopedia - Tenente Gabriel de Souza Arantes

- 69 em oftalmologia - Major Luciana Horovitz

- 29 em pediatria - Capitão Alessandra Cristina Magero Frutuoso dos Anjos

- 39 em dermatologia - Tenente-Coronel Myria Lopes Altenkirch Santana

- 30 em ginecologia - Major Trícia Barreto de Moraes do Carmo24 em odontologia - Tenente Marcela Figueiredo Ribeiro

- 13 em psicologia - Tenente Rachel Costa Cardoso Cuadros

- 5 na assistência social - Tenente Anne Giselle Santana Carvalho

“Já estamos na nossa segunda edição  e todo mundo sabe que hoje o sistema público de saúde não consegue cobrir toda a demanda, então quando acontece uma missão como essa, é importante porque nos ajuda com aquela demanda reprimida que nós temos, por exemplo uma especialidade que nós não temos,  oftalmologia,  então quando vem para nós é extremamente importante, e eu acho que isso faz com que a equipe se mobilize e a comunidade se sente acolhida” declarou a prefeita Thelma de Oliveira.

A prefeita continuou agradecendo: “A missão teve um resultado bastante positivo. Gostaria de agradecer em nome da comunidade e parabenizar a equipe da saúde que se desdobraram, espero que tenham gostado da nossa cidade, hoje não está muito legal pois o frio está muito forte lá fora, uma neblina muito forte, mas essa é a característica nossa, essa neblina, esse frio, espero que a gente possa se encontrar em outros momentos também, que vocês possam voltar em Chapada. Em meu nome e em nome da nossa cidade, de toda nossa equipe, do meu secretariado que está aqui, a gente agradece mais uma vez e reforça que esse evento foi muito bom para todos nós”.

O Secretário de Saúde da Chapada dos Guimarães, Jamilson Alves Martins, esteve presente na abertura e no encerramento da missão no PSF e recebeu a equipe dizendo que: “A missão da Aeronáutica é de grande valia para a comunidade de Chapada, pois desafoga a fila de espera do SUS que hoje é muito grande e graças a essa parceria com a Secretaria de Saúde tem a possibilidade de dar um atendimento de qualidade para a população, com várias especialidades”.

A Coordenadora da Atenção Básica de Chapada, Cassilina de Macedo Borges de Gusmão, pela segunda vez participa da Missão:  “É um maravilha para nós, para nossa comunidade, para população, a gente agradece muito a parceria da missão, temos um pessoal muito carente, que precisa sim, e nós só temos a agradecer por vocês estarem aqui com essa parceria conosco, muito obrigada. Aqui temos uma demanda espontânea, chegou a gente atende, tanto a atenção básica e o município”, explicou ela.

A esposa do comandante do DTCEA-GI, Cleice Silva Costa Pacheco, coordenadora no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), que tem parceria com o Destacamento, foi atendida nas especialidades: clínico geral, ginecologia, oftalmologia e dermatologia. Deixou sua opinião sobre a missão: “Muito importante trazer os médicos para cá para atender a população. Estamos sem convênio e fica meio distante os hospitais da aeronáutica, em Cuiabá”.

A auxiliar de enfermagem do HFAB, Sargento Karolina Pereira dos Santos Vieira, deu apoio à Oftalmologista, Major Luciana,  e participa pela segunda vez de uma missão de saúde: “Muito gratificante por ver nos pacientes, dependentes e militares que nós viemos dar apoio aqui, a satisfação em nos receber, sabendo que é uma missão de grande importância. Vemos também que a população necessita, por ser carente de atendimento, então para mim está sendo gratificante o trabalho que estamos fazendo para eles”, elogiou ela.

Moradora de Chapada há 25 anos, a mineira Luziana Findêncio e Silva, professora de geografia da Escola Pública Estadual Ana Tereza Albernaz, que fica na periferia da cidade, esposa do Suboficial Mauro Messias Conceição da Cunha, se envolveu com a cidade, com a comunidade e relatou: “Há muitos problemas sociais aqui na cidade, 30% das minhas alunas são violentadas pelo pais. Durante cinco anos conduzi um projeto chamado, conhecer, curtir a Chapada. A Aeronáutica tem feito a diferença na vida das pessoas aqui. A ação me emociona, esse trabalho precisa ser mostrado. Sempre que tenho oportunidade divulgo para a comunidade. Só tenho a agradecer e dizer sejam  bem-vindos.

O Suboficial Mauro externou a sua satisfação em participar do trabalho: “Missão importantíssima, o ideal seria que ela se expandisse para atender mais pessoas, atender melhor ainda e os profissionais possam trabalhar com mais calma. Que esse envolvimento nosso pode mudar muita coisa”.

Foram ministradas palestras socioeducativas e ações preventivas no Centro Social Senta a Pua – como Operacionalização dos Benefícios Sociais, com a Assistente Social, Tenente Anne Giselle Santana Carvalho, do CINDACTA I, e a outra sobre Prevenção ao Suicídio e Valorização da Vida, com a Psicóloga do CINDACTA I, Tenente Rachel Costa Cardosos Cuadros.

“Acabou definindo a prevenção ao suicídio como um tema mais norteador dessa missão, porém é só uma sensibilização, já que muita gente tem muito receio, os Destacamentos ficam isolados, então é importante que a gente instrumentalize mais o efetivo de estar atento para os outros mais próximos, da possibilidade disso acontecer, então quando falamos da prevenção ao suicídio, a gente está falando também de tentar olhar para uma melhor qualidade de vida, olhar para como você lida com algumas dificuldades, para alguns problemas, antes que chegue nesse estágio. Então acabamos não falando só do suicídio, mas de você cuidar mais da sua saúde física, saúde mental, das suas relações sociais, da relação com a família ou não, porque as vezes o efetivo do Destacamento fica um pouco isolado  desse contato, fica distante do contexto familiar e social, já tem umas dificuldades inerentes a isso, então é uma forma de conscientizar mais, trazer mais informação, que tenham melhores ferramentas para lidar com as dificuldades” explicou a psicóloga.

A Tenente Rachel já participou de outras missões e relatou que: “Cada localidade acaba tendo uma cara, um perfil diferente, por mais que você  já tenha tido outras experiências , o que ajuda na atuação, mas cada localidade tem um jeito próprio, tem uma nova abordagem que você vai entrar, as necessidades acabam sendo um pouquinho diferente”.

“Uma missão importante, pois leva uma assistência mais básica, sem o intuito de atender situações mais complexas, mas como são localidades de difícil acesso, muitas vezes as pessoas deixam de buscar ainda em uma fase mais inicial ou em uma fase que você possa orientar e prevenir complicações futuras” definiu a psicóloga.

“Muito boa a missão, atendimento diversificado e de boa qualidade, sem ela aqui temos que ir à Cuiabá. Temos apoio de algumas clínicas médicas, emergência, alguns convênios e apoio de exames, às vezes temos que partir para a área particular, mas o custo é muito alto”, explicou o Sargento Warley Max de Carvalho Neves, que foi atendido na dermatologia, ortopedia e na psicologia.

Em todos os Destacamentos brotam sementes deixadas pela Missão Itinerante. Fazer uma atividade que transforme vidas é gratificante. Existem recompensas que são visíveis, porém é importante semear independente de como ou quando esses frutos serão colhidos. De nada vale as conquistas materiais ou pessoais sem acrescentar algo na vida das pessoas. Cuidar do próximo é um ato que traz grandes benefícios.

O Cabo Clelio Tadeu Teixeira Junior explicou que: “É de suma importância para o efetivo, por conta das diversas especialidades oferecidas. É complicado conseguir encaminhamento para atendimento, pois aqui não temos hospital de Aeronáutica, somos atendidos por clínicas conveniadas e, às vezes, por problemas administrativos, cortam especialidades essenciais. No dia a dia só pronto atendimento do SUS. Para Cuiabá, o custo de deslocamento é alto, fora a burocracia”.

A Enfermeira Rosa Maria Blanco, PSF I Saúde da Família, contou: “Missão de grande valia para nossa comunidade, pois tivemos a oportunidade de encaixar pacientes com problema que pelo SUS estava demorando com as especialidades trazidas e troca de experiências com esses profissionais, muito bacana. Fora os reparos que recebemos na nossa Unidade. Profissionais bastante capacitados e tem resolvido os problemas dos pacientes que estavam na fila de espera. Muito bem-vindos, só temos a agradecer”.

A senhora Luiza de Lima veio por conta própria, trazendo o filho de seis meses, André de Lima, na pediatria: “Muito bom atendimento, gostei bastante, me ajudou muito” contou ela.

A pediatra, Capitão Alessandra Cristina Magero Frutuoso dos Anjos, do HFAB, que já participou de outras missões, declarou que: “As missões são sempre válidas, pois levamos atendimento especializado para uma população nossa, que não tem acesso tão facilmente a algumas especialidades, como exemplo, eu atendi aqui crianças de seis meses ou mais que nunca tinha ido ao pediatra. Eles fazem o acompanhamento com a enfermeira do posto. Acho válida a missão, é importante para os nossos militares e dependentes que estão distante dos grandes centros, eles se sentem amparados”.

Militar da reserva, o Sargento Divino Antonio de Barros, foi atendido na ortopedia, oftalmologia, e trouxe o neto para pediatria e as filhas para oftalmologia, odontoclínica e para dermatologia, declarou que: “A missão foi muito boa, atende nosso pessoal e estende o lado social para a população da cidade, carente ou não. Sou piolho disso aqui, pintou estou dentro (sic). Gostaria de pedir um favor para alguém de competência que estamos carentes de algum convênio, no momento só temos pronto atendimento no Hospital Santa Rosa e convênio com Posto Médico do Exército.  Essa Missão é muito útil, gostaria que tivesse mais convênio para gente que é daqui da comunidade. A missão é esporádica, não é definida a data”.

O Ortopedista do HFAB, Tenente Gabriel de Souza Arantes, que já participou de outras missões, relatou que: “A missão é válida, importante, principalmente para os militares que estão aqui, que as vezes não tem uma rede credenciada muito ampla e a oportunidade de atendimentos com especialidades básicas, principalmente pediatria, oftalmologia, ginecologia, assim como a minha, ortopedia. Trazendo um conforto, um sentimento de acolhimento, que é importante para eles, além de poder otimizar alguns tratamentos que podem ser feitos em  consultas relativamente simples, e que não envolve procedimentos de alto custo. As pessoas se sentem mesmo membros da Força e isso agrega muito valor para eles”.

O comandante do DTCEA-GI, Tenente Osvaldo Pacheco da Silva disse que: “A missão ocorreu com êxito e brilhantismo com indiscutível demonstração de solidariedade, planejamento, comprometimento, competência, prontidão operacional e muita vibração pela instituição. A importância é fundamental, a gente não tem apoio médico aqui, muitas situações que já aconteceram foram encaminhadas primeiro para Cuiabá buscando os hospitais credenciados, as clinicas e algumas situações não foram suficientes e tivemos que encaminhar para Brasília. A dificuldade é imensa, mas quando reúne em um período curto de tempo a quantidade grande de especialistas, a gente consegue endereçar vários problemas, isso facilita para o Comando e para o efetivo que é muito agradecido pela missão”.

Tenente Pacheco informou que o DECEA autorizou a construir parcerias e isso facilitou demais: “Conseguimos oferecer uma infraestrutura em um lugar só, a prefeitura aceitou de primeira essa proposta e disponibilizou um posto de saúde da família. Em contrapartida a FAB atendeu pessoas carentes da cidade, que tem bastante demanda”.

“A primeira edição foi muito elogiada, com vários atendimentos realizados pelos médicos da aeronáutica e isso só cresce essa admiração. A população vê na Força essa instituição confiável e amiga. Eu já recebi relatos emocionados dos que já foram atendidos pela missão. O desejo é exatamente esse, sempre que possível, não só atender os militares do efetivo, mas também a população que atende a demanda da carência e por outro lado serve com um meio de divulgar a FAB”, relatou o comandante do DTCEA-GI.

A ginecologista, Major Trícia Barreto de Moraes do Carmo, do HFAB, participa pela primeira vez da missão como voluntária declarou que está saindo muito mais engrandecida do que quando chegou: “É o pensamento de todos os médicos, ajudar é muito mais gratificante para quem ajuda do que para quem recebe essa ajuda. Muito interessante não só por lidar com nosso pessoal da aeronáutica, mas também com a população muito carente do município, que não tem acesso a este tipo de atendimento médico, diferenciado que demos, embora também sejamos um hospital público, com recurso da união, o paciente que usa o Sistema Único de Saúde não tem esse mesmo acesso”.

“Estou me sentindo realizada pelo trabalho, e pela importância de ajudar o próximo, isso significa um ato de amor e solidariedade, e tudo isso é muito gratificante, é a quarta missão que eu participo”, disse a Sargento Cleonice de Souza Pereira Alves, técnica de enfermagem, que trabalha na emergência do HFAB e auxiliou a Major Trícia.

Da equipe da triagem, o auxiliar de enfermagem, Sargento Jovesmar de Freitas Lima, afirma que: “É fundamental esse atendimento para comunidade. Isso mostra o valor que as Forças Armadas têm, os valores e o comprometimento que tem demonstrado para a comunidade. É fundamental a assistência de saúde para eles, a gente consegue visualizar a carência da comunidade em geral, nesse setor da saúde. Já participei de outras missões e acho que deveria se tornar uma rotina essa aproximação junto a comunidade, essa prestação de serviço, é muito importante esse apoio”.

“A missão foi muito interessante, atendeu a população carente que precisa de auxílio médico, é muito gratificante atender a população carente. Já participei de várias missões de acolhida, são experiências que a gente leva para a vida toda”, falou o Sargento Leandro Costa Guimarães, também da equipe de triagem.

O Aspirante Marcos Henrique Domingues Félix,  clínico médico da  Seção de Saúde Operacional do HFAB, participou da sua primeira missão e ficou muito satisfeito em tudo o que presenciou e descreveu: “Nosso pessoal, bem assistido, bem orientado, patologias de base bem tratadas e a minha missão foi mais renovar receitas, fazer pedidos de exames, alguns encaminhamentos para as especialidades, para as que estavam conosco conseguimos encaminhamento direto, para outras fiz direcionados. Eu vejo que missões assim são importantes para mostrar que as pessoas estão bem guardadas, tem que ser cada vez mais recorrente no Brasil todo, a saúde do corpo e da mente propicia um bom militar para servir a pátria. Estou feliz com o resultado e espero participar de mais missões”.

A dermatologista do HFAB, Tenente-Coronel Myria Lopes Altenkirch Santana, comentou: “Gostei de participar da missão. Acho importante para o efetivo se sentir acolhido e amparado. Mas, do ponto de vista prático, não vejo fundamento para dermatologia. Considero muito importante, odonto, gineco, oftalmo e clínico”.

O coordenador da missão, Coronel Aviador Sérgio Roberto Rodrigues Silva, fez a entrega do livro A História do Controle do Espaço Aéreo Brasileiro à prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma Pimentel Figueiredo de Oliveira, e ao comandante do DTCEA-GI, Tenente Osvaldo Pacheco da Silva, na cerimônia de encerramento no Posto de Saúde. Na ocasião, o DTCEA-GI  fez a entrega de certificados de agradecimento aos participantes pelo relevante apoio prestado na realização da Missão de Assistência Integrada Itinerante promovida pelo DECEA.

Em clima de montanha, mas com os corações aquecidos por terem ajudado ao próximo. Voltando para casa com sentimento de acolhimento e com a certeza da missão cumprida e a satisfação pelos resultados alcançados pela entrega absoluta. Os elogios não foram poupados, as pessoas se sentiram acolhidas pela FAB. Projetos assim fazem diferença na vida delas. Essa é nossa Força Aérea. A garantia do Espaço aéreo só tem sentido se cuidarmos dos nossos também. Não há mais como desviar os olhos da desigualdade. Não importa o local, a FAB sempre encontrará oportunidades para realizar atividades sociais. Por meio da interação entre os participantes, é possível promover um melhor convívio e o resgate da autoestima. Um projeto que tem alcançado uma boa visibilidade na sociedade, dessa forma a FAB se faz cada vez mais presente no seio da comunidade. O trabalho desenvolvido tem transformado a vida dos participantes. O bem-estar proporcionado a eles acaba promovendo uma melhoria na saúde. Todo esse apoio só é possível graças ao esforço conjunto de todos que integram a equipe. Nada disso seria possível sem a participação ativa daqueles que efetivamente trabalham nas ações desenvolvidas.

A medida que o trabalho se torna mais conhecido, mostra-se o quanto ele é sério e ajuda as famílias. Divulgar sempre para potencializar o projeto.  Fazer o bem gera resultados positivos para quem faz e para quem recebe. Sentir-se útil, mas com a sensação de que ainda há muito a realizar.

Sair da zona de conforto e ir atrás de quem necessita. Não existem fronteiras ou limites para alcançar esses objetivos. O bem que é feito é uma gota no oceano. Despertar para o próximo, essas parcerias promovem sempre o bem comum.

Parabéns a todos os envolvidos na missão, que proporcionaram acalento aos que necessitavam e contribuíram assim com o desenvolvimento do município, buscando sempre novos projetos e aceitando o desafio de fazer mais e melhor, não desistindo e não perdendo de vista a esperança.

 

Assessoria de Comunicação Social
Reportagem e fotos: Fátima Cerqueira